Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Uma rotina num país em guerra. Alarmes soaram esta manhã em toda a Ucrânia

18 fev, 2023 - 13:10 • José Pedro Frazão , enviado da Renascença à Ucrânia

Foram registadas duas explosões em Khmelnytsky. Autoridades ucranianas pediram a saída urgente de civis de Bahkmut

A+ / A-

A Força Aérea da Ucrânia reclama ter abatido este sábado dois de 4 mísseis de cruzeiro russos lançados a partir do Mar Negro.

Foram registadas duas explosões no centro-oeste da Ucrânia, em Khmelnytsky, a cerca de 240 quilómetros de Lviv. O governador local fala em 2 feridos e vários apartamentos e escolas destruídas neste ataque.

No Leste da Ucrânia prosseguem combates terrestres, em particular nas regiões de Luhansk e Donetsk. No centro está a batalha para tomar o controlo de Bakhmut, cidade ucraniana sob fogo russo há várias semanas.

Esta sexta-feira, autoridades de Kiev pediram a saída urgente dos civis da cidade, o que prenuncia uma batalha ainda mais dura nos próximos dias.

A Ucrânia tenta ainda estabilizar a rede elétrica do país, ligeiramente mais estável nos últimos dias. A situação varia de região para região, mas esta manhã foram realizados cortes preventivos do abastecimento nas regiões de Kiev, Odessa e Dnipro. Interrupções de energia que, dizem as autoridades ucranianas, vão impedir danos significativos à infraestrutura de energia se os mísseis russos atingirem o alvo.

Este sábado, no habitual discurso diário, Volodymyr Zelensky garantiu que o país está a fazer todos os possíveis para fortalecer os soldados na linha da frente, “os heróis que inspiram o mundo”.

O presidente ucraniano indicou ainda que o mundo já percebe a importância da chegada de caças para defender os céus ucranianos.

A União Europeia quer fazer aquisição de armas conjuntas para aumentar a ajuda à Ucrânia, num mecanismo similar ao usado na compra de vacinas contra a Covid 19.

A intenção foi divulgada este sábado pla presidente da Comissão Europeia durante a Conferência de Segurança de Munique.
Ursula Von Der Leyen sugere que a compra e a produção conjunta de armas por parte dos estados membros pode ser a solução para acelerar o apoio militar à Ucrânia.

“É altura de acelerar a escala e a produção de ajuda humanitária à Ucrânia. Não podemos estar meses ou anos até podermos fornecer esse material de substituição ou de reforço”, disse Von Der Leyen.

A líder dos 27 falava de uma ajuda desesperada por parte do país que foi invadido pla Rússia há quase um ano.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+