A+ / A-

Covid-19. França deixa de exigir teste a viajantes oriundos da China

17 fev, 2023 - 05:30 • Lusa

Passa também a ser abolido o rastreio aleatório de passageiros à chegada, mas o uso de máscara cirúrgica a bordo dos aviões continua a ser obrigatório.

A+ / A-

A França deixou de exigir aos viajantes vindos da China um teste à Covid-19, de resultado negativo, realizado menos de 48 horas antes da chegada ao país, medida implementada no início de janeiro.

"A partir de 16 de fevereiro, os viajantes da China para a França não são mais obrigados a apresentar o resultado de um teste RT-PCR [de ácido nucleico] (…), bem como a declaração de honra relativa à covid-19", disse a Embaixada da França em Pequim.

Num comunicado de imprensa, publicado na quinta-feira à noite, a embaixada acrescentou que “também está abolido o rastreio aleatório à chegada”, mas que o uso de máscara cirúrgica a bordo dos aviões continua a ser obrigatório.

As medidas, que abrangiam viajantes com pelo menos 11 anos, foram impostas no início de janeiro, quando a China enfrentou um aumento nos casos de covid-19, após o fim das restrições da política “covid zero”, no início de dezembro.

Tal como França, também outros países, incluindo Reino Unido, Itália e Estados Unidos adotaram esse tipo de medidas, que têm vindo a ser gradualmente suspensas.

Em Portugal, o Governo prorrogou até final de fevereiro as medidas de controlo da covid-19 aplicadas aos voos provenientes da China, que incluem a testagem aleatória de passageiros à chegada e a obrigatoriedade de um teste negativo no embarque.

A decisão francesa surge horas depois de o Presidente francês, Emmanuel Macron, se ter encontrado em Paris com o chefe da diplomacia chinesa, Wang Yi, que esteve no país para dois dias de conversações.

O palácio da Presidência da República Francesa disse na quinta-feira que “o tempo da reaproximação” com a China chegou, para convencer Pequim a “contribuir” para a paz na Ucrânia, depois de um arrefecimento ligado, entre outros, à pandemia do novo coronavírus.

O Eliseu confirmou que “está em preparação” uma visita de Macron à China “no primeiro trimestre”.

Esta retoma dos contactos bilaterais está ligada ao fim das restrições da política “covid zero” na China, adiantou um conselheiro de Macron. Em novembro, o presidente francês encontrou-se com o homólogo chinês, Xi Jiping, na Indonésia.

As relações entre a China e a União Europeia ficaram tensas em 2021, quando os europeus impuseram sanções por causa da repressão da minoria muçulmana uigur. Paris continua a reconhecer que a situação permanece e garante que a questão dos direitos humanos foi evocada “muito claramente” com Wang Yi.

No plano bilateral, o governo francês quer “reequilibrar” o acesso ao mercado chinês, em particular nos setores aeronáutico e agrícola.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+