Tempo
|
A+ / A-

Navio de Médicos Sem Fronteiras com 237 migrantes a bordo após terceiro resgate

26 jan, 2023 - 05:21 • Lusa

O resgate foi realizado quando o navio da organização não governamental se dirigia para o porto de La Spezia, no noroeste de Itália. Mais de 3.900 migrantes chegaram àquele país, este ano, pelo Mediterrâneo central.

A+ / A-

O navio "Geo Barents", operado pela organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), transporta 237 migrantes, após um terceiro resgate de 107 pessoas que viajam no Mediterrâneo amontoadas a bordo de um outro barco.

O resgate foi realizado quando o navio da organização não governamental (ONG) se dirigia para o porto de La Spezia, no noroeste de Itália.

Após socorrer 69 migrantes na tarde de terça-feira, o navio recebeu autorização para atracar no porto de La Spezia, a cem horas de distância da sua área de atuação no Mediterrâneo central, devido à nova política do Governo de extrema-direita de Giorgia Meloni.

Na sua viagem para norte, localizou uma segunda embarcação com 61 pessoas, entre as quais 13 mulheres e 24 menores, e agora uma terceira embarcação com 107 pessoas, entre as quais 5 mulheres e 36 menores.

A ONG explicou que os dois resgates foram realizados enquanto o navio navegava "para o primeiro local designado, de acordo com o direito marítimo internacional".

O navio cumpre o novo regulamento do executivo italiano, que obriga as ONG a solicitar a atribuição de um porto imediatamente após a conclusão da sua primeira operação de socorro e a não se desviar para ajudar outras embarcações em perigo.

No entanto, a organização MSF criticou o facto de ter recebido o porto de La Spezia, na região da Ligúria, a vários dias de navegação, referindo que existiam portos mais próximos.

Esta atribuição de portos afastados das zonas de salvamento responde a uma nova estratégia do Governo italiano da extrema-direita Giorgia Meloni para que os navios tenham de deixar a zona de salvamento durante dias e também implica maiores gastos para as ONG.

O Governo italiano garante que se trata de uma medida para aliviar a pressão da chegada de migrantes aos portos sicilianos.

Segundo dados do governo italiano, mais de 3.900 migrantes chegaram a Itália este ano pelo Mediterrâneo central, em comparação com 1.700 no mesmo período do ano passado, enquanto mais de 100.000 chegaram às costas italianas em 2022.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+