Tempo
|
A+ / A-

Lula da Silva anuncia novos ministros. “Vencemos Bolsonaro, mas o bolsonarismo está nas ruas deste país”

22 dez, 2022 - 14:55 • Rosário Silva

No anúncio dos primeiros 16 ministros que vão compor o futuro Governo, o presidente eleito do Brasil disse que a sua eleição foi das “mais difíceis da história” do país. Pediu aos novos governantes “eficiência e competência” na sua missão, para honrar o povo brasileiro que quer ver novamente “feliz e a sorrir”.

A+ / A-

O Presidente eleito do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, promete “fazer melhor” e com “mais competência”, ao mesmo tempo que espera que os seus ministros façam "política".

“Não tenhamos vergonha de política e não tenhamos vergonha de dizer que queremos ministros políticos também. Queremos políticos eficientes e que tenham competência política para montar um bom Governo”, afirmou Lula, esta quinta-feira, no momento em que anunciou o nome de 16 elementos da sua equipa

“Que cada pessoa tente montar o Governo colocando gente diversa, das outras forças políticas que nos ajudaram a combater o fascismo, porque somente assim, vamos contemplar o espetro de gente que participou dessa comissão de transição”, apelou.

No discurso, já depois de ter anunciado o nome de parte dos seus ministros, no Centro Cultural Banco do Brasil, o Presidente eleito reconheceu que a sua “eleição que foi das mais difíceis da história” do país.

“Lembram-se o quanto era difícil ser oposição e o quanto era difícil usar uma camisa vermelha, ou colocar um autocolante do Lula no carro e o povo brasileiro teve coragem”, por isso, prosseguiu, “temos de fazer mais, com mais competência e fazer melhor. Fizemos uma vez, aprendemos, sabemos os caminhos e vamos vencer as dificuldades”.

Lula alertou ainda para a necessidade de se ter “consciência que vencemos o Bolsonaro, mas o bolsonarismo está nas ruas deste país, raivosa e sem querer reconhecer a derrota que tiveram”.

Por isso, sublinhou, “vamos ter que derrotar o bolsonarismo nas ruas deste país, para que este volte a ser democrático, a sonhar e a ser feliz”.

Sempre muito aplaudido, Lula da Silva traçou o seu compromisso: “Que este país volte a sorrir, a ter tranquilidade, que as famílias possam encontrar-se outra vez para comer o famoso churrasquinho que faz tanta falta na casa das pessoas, para que as famílias se voltem a unir. Temos que recuperar a fraternidade, a solidariedade e a compreensão e os amor que perdemos com o fascismo”.

“Não é o Lula que está precisando de vocês, é o povo brasileiro, é a cultura, é a edução, é o trabalhador, é a ciência e tecnologia, é a mulher que é violentada, é o adolescente que está a morrer nas periferias, os pobres e os negros que morrem por causa do preconceito racial e, daqui em diante todos, sem distinção, temos um compromisso com o povo brasileiro que devemos saber honrar”, rematou.

Os (primeiros 16) ministros do Governo de Lula

O Governo do presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, já se sabe, será maior que o atual, com 37 ministérios, contra os 23 do chefe de Estado cessante, Jair Bolsonaro.

Esta quinta-feira, Lula disse em jeito de brincadeira que “é mais difícil montar um Governo que ganhar eleições”, remetendo para a próxima semana, possivelmente na “terça-feira”, o anúncio dos restantes membros que vão compor o seu Governo.

Os primeiros 16 novos ministros já são conhecidos.

  • Alexandre Padilha (Relações Institucionais);
  • Márcio Macedo (Secretaria-Geral);
  • Jorge Messias (Advocacia-Geral da União);
  • Nísia Trindade (Saúde);
  • Camilo Santana (Educação);
  • Esther Dweck (Gestão);
  • Márcio França (Portos e Aeroportos);
  • Luciana Santos (Ciência e Tecnologia);
  • Cida Gonçalves (Mulheres);
  • Wellington Dias (Desenvolvimento Social);
  • Margareth Menezes (Cultura) – já havia sido anunciada;
  • Luiz Marinho (Trabalho);
  • Anielle Franco (Igualdade Racial);
  • Silvio Almeida (Direitos Humanos);
  • Geraldo Alckmin (Indústria e Comércio);
  • Vinícius Carvalho (Controladoria-Geral da União)
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+