Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Aumento de casos na China lança dúvidas sobre fim de emergência global, diz OMS

21 dez, 2022 - 08:00 • Lusa

Virologista holandesa questiona mesmo se se pode “chamar pós-pandemia quando uma parte tão significativa do mundo está a entrar na segunda vaga”.

A+ / A-

Uma cientista da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou que o aumento dos casos de Covid-19 na China lança dúvidas sobre o fim da emergência mundial.

"A questão é se se pode chamar pós-pandemia quando uma parte tão significativa do mundo está a entrar na segunda vaga", disse a virologista holandesa Marion Koopmans, membro de um comité da OMS responsável por prestar consultoria sobre o estado de emergência do coronavírus, citada pelo jornal britânico The Guardian.

"É evidente que estamos numa fase muito diferente [da pandemia], mas na minha opinião, esta vaga na China é uma caixa de surpresas", acrescentou.

Pequim impôs desde o início da pandemia uma política de prevenção bastante rígida, conseguindo manter baixos os números de infeções e mortes em comparação com outros países. No entanto, o relaxamento das regras, nas últimas semanas, veio alterar a situação, com as taxas de infeção a atingirem níveis elevados.

Vários governos regionais na China encorajaram esta terça-feira as pessoas com casos ligeiros de Covid-19 a deslocarem-se para os locais de trabalho, numa mudança radical em relação à política de “zero casos” seguida até recentemente.

As novas medidas refletem também a dificuldade em reanimar uma economia que foi estrangulada por restrições pandémicas e que, agora que foram levantadas, está a ser abrandada por trabalhadores que adoecem.

As autoridades sanitárias anunciaram neste dia a morte de cinco pessoas nas últimas 24 horas, alimentando a preocupação de que o número de mortos poderá aumentar acentuadamente após ter sido decidido levantar a maioria das restrições da política “Covid zero”.

Os números oficiais poderão não corresponder à realidade, até porque vários crematórios contactados hoje pela agência francesa AFP disseram que se registou um número acentuado de mortes no país.

A China sempre defendeu que a sua política restritiva de “Covid zero”, com confinamentos em massa, quarentenas e testes obrigatórios, permitiu manter um número relativamente baixo de casos e mortes.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a China comunicou mais de 10 milhões de casos de infeção e 31.309 mortes entre 02 de janeiro de 2020 e 19 de dezembro (segunda-feira).

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+