Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Putin diz que o exército russo vai continuar a atacar infraestruturas de energia ucranianas

08 dez, 2022 - 16:57 • Lusa

Presidente russo acusa Kiev de ter “destruído as linhas de energia da central nuclear em Kursk”. “Não fornecer água a uma cidade de um milhão de habitantes é um ato de genocídio”, disse Putin.

A+ / A-

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse esta quinta-feira que o exército russo vai continuar a visar infraestruturas de energia ucranianas, cujos ataques já obrigaram Kiev a enormes cortes de energia e água.

“Sim, estamos a fazer isso, mas quem é que começou?”, questionou Putin, à margem de uma cerimónia de entrega de medalhas no Kremlin, justificando os ataques como uma resposta à explosão que afetou a ponte da Crimeia, construída pela Rússia, e a outros ataques de Kiev contra alvos russos.

Vladimir Putin acusou o Estado ucraniano de ter “destruído as linhas de energia da central nuclear em Kursk”, uma região russa na fronteira com a Ucrânia, e de “não fornecer água” ao reduto separatista pró-russo de Donetsk, no leste do país.

“Não fornecer água a uma cidade de um milhão de habitantes é um ato de genocídio”, criticou o líder russo, acusando os países ocidentais de fecharem os olhos a essas ações das autoridades ucranianas.

Putin realçou que, assim que surge resposta do lado russo, começa-se a espalhar “o clamor” por “todo o universo”.

“Isso não nos vai impedir de cumprir as nossas missões de combate”, acrescentou.

Desde o ataque à ponte da Crimeia, em outubro, a Rússia tem disparado mísseis contra infraestruturas civis de energia, privando milhões de ucranianos de energia, até mesmo de água e aquecimento à medida que o inverno se aproxima e as temperaturas negativas se fazem sentir.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pelo cano
    08 dez, 2022 Duma espingarda 17:32
    A única maneira de "conversar" com a Rússia, é pelo cano de uma espingarda. Aqueles, entre os quais Kissinger e o Papa, que "com a morte na alma" apelam ao "bom senso" do governo ucraniano - leia-se "como não é terra nossa, deem à Rússia o que ela quer para parar a guerra" - andam a pensar como crianças se acham que isso realmente pararia alguma coisa. Nem a Ucrânia depois de tudo o que passou cederia 1 cm2 de território que fosse, nem a Rússia uma vez tendo saído a ganhar com o crime que cometeu, se contentaria com o obtido. Não tardaria a termos outra guerra. a única saída é despedaçar as forças russas na Ucrânia, até elas saírem do território e depois saltar etapas e incluir a Ucrânia na UE e sobretudo na NATO em que a partir daí será inatacável, pois um ataque russo era a 3ª guerra Mundial. Como é evidente que Putin quer treinar, reorganizar as tropas para uma nova e gigantesca ofensiva de Primavera, trata-se aqui de aumentar ao máximo o envio de armas para Kiev, e o treino dos ucranianos com o novo material. E claro, levar a guerra a território russo. Porque não uma ataque a Moscovo?

Destaques V+