Tempo
|
A+ / A-

ONU

Guterres insta governos e redes a prevenirem discursos de ódio e desinformação

06 dez, 2022 - 06:55

“Um espaço digital seguro começa com a proteção da liberdade de expressão. Mas não termina aí", alerta o Secretário-geral da ONU.

A+ / A-

O secretário-geral das Nações Unidas defendeu que os governos, empresas e redes sociais têm a responsabilidade de prevenir discursos de ódio, ‘bullying’ e desinformação que “prejudicam os direitos humanos, a democracia e a ciência”.

“Um espaço digital seguro começa com a proteção da liberdade de expressão. Mas não termina aí. Governos, empresas e plataformas de redes social têm a responsabilidade de prevenir discursos de ódio, bullying e desinformação, que prejudicam os direitos humanos, a democracia e a ciência”, destacou António Guterres numa publicação na rede social Twitter.

Elon Musk, que além da Tesla é também dono do SpaceX [viagens espaciais], comprou o Twitter, em outubro, por 44 mil milhões de dólares (41,7 mil milhões de euros). Mas a visão de Musk, que defendeu uma liberdade de expressão absoluta na rede social, está a causar preocupação entre muitos utilizadores, autoridades e anunciantes, por temerem um aumento de mensagens de de ódio e desinformação.

No início, o empresário prometeu um conselho de moderação de conteúdos responsável por todas as grandes decisões, mas posteriormente decidiu restabelecer várias contas, a começar pela do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump, banido da rede social depois do assalto ao Capitólio, em janeiro de 2021.

Pôs também fim à luta contra a falsa informação ligada à covid-19 e recentemente esclareceu os seus limites pessoais sobre a liberdade de expressão numa série de 'tweets'.

Na sexta-feira, a conta do 'rapper' norte-americano Kanye West no Twitter foi suspensa por "incitar à violência", depois de ter afirmado que admirava Hitler.

Elon Musk também disse que não ia permitir o regresso à rede social do teórico da conspiração da extrema-direita norte-americana Alex Jones, que foi condenado por afirmar que um massacre escolar foi encenado por elementos do movimento de oposição às armas de fogo.

Em reação às declarações de Kanye West, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, instou na sexta-feira a classe política norte-americana a “denunciar e rejeitar o antissemitismo.

“Só quero deixar algumas coisas claras: o Holocausto aconteceu. Hitler era uma figura demoníaca. E, em vez de lhe dar uma plataforma, os nossos líderes políticos devem denunciar e rejeitar o antissemitismo onde quer que ele se esconda", destacou o chefe de Estado norte-americano, através da rede social Twitter.

Biden realçou ainda que "o silêncio é cumplicidade", noticiou a agência Europa Press.

Também na sexta-feira, o Presidente francês, que visitou os Estados Unidos, revelou ter mantido "uma conversa clara e sincera" com o novo proprietário do Twitter, para insistir que a rede social deve melhorar a transparência e "reforçar a moderação de conteúdos".

Numa série de mensagens escritas no Twitter, Emmanuel Macron disse também ter discutido, em Nova Orleães, na sexta-feira, com o fundador da empresa Tesla "futuros projetos industriais verdes, tais como a produção de veículos elétricos e baterias", sem avançar pormenores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+