Tempo
|
A+ / A-

Japão. Ministro da Justiça demitido por piada sobre pena de morte

11 nov, 2022 - 09:52

Fumio Hanashi comentar que o ministro da Justiça é um cargo discreto, que só pode ser notícia "quando assina uma execução".

A+ / A-

O primeiro-ministro japonês demitiu o ministro da Justiça, depois Yasuhiro Hanashi ter sido criticado por uma piada sobre a pena de morte, avançou a televisão pública nipónica NHK.

Fumio Hanashi, que assumiu a pasta da Justiça na sequência da remodelação do Governo, em agosto, esteve no centro de uma controvérsia esta semana, depois de comentar que o ministro da Justiça é um cargo discreto, que só pode ser notícia "quando assina uma execução".

"Servir como ministro da Justiça não ajuda a arrecadar muito dinheiro ou garantir muitos votos", disse Hanashi, durante uma reunião política, comentários que provocaram críticas dentro e fora do Partido Liberal Democrático (LDP), que apoia o Governo.

Hanashi "deve exercer o seu papel tomando consciência do peso de sua posição profissional", disse Fumio Kishida, durante uma sessão parlamentar, na quinta-feira, sem se ter referido à possibilidade de demitir o ministro.

"Estas foram palavras imprudentes e eu levo [a reação] a sério, de forma a não voltar a fazer algo semelhante a partir de agora. Sinto muito", disse Hanashi, horas antes de ser demitido.

A saída de Hanashi representa um novo revés para Kishida, imerso numa crise de popularidade devido aos vínculos de membros do executivo com o controverso grupo religioso Igreja da Unificação, que levou à renúncia, em outubro, de um dirigente do Ministério da Economia.

O baixo índice de aprovação do governo de Kishida tem sido ainda motivo por outros escândalos, incluindo o alegado uso indevido de fundos públicos por parte do ministro do Interior e Comunicações, Minoru Terrada.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+