Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Web Summit

Mark MacGann: “Algumas tecnológicas tornaram-se mais poderosas que os Estados”

02 nov, 2022 - 16:57 • Cristina Nascimento

Denunciante da Uber, Mark MacGann, foi um dos homens mais poderosos dentro da plataforma de transportes durante dois anos.

A+ / A-

“Algumas das grandes tecnológicas tornaram-se mais poderosas que os estados que as tentam regular”. Quem o diz é Mark MacGann, o homem que durante anos foi lobista da Uber e que acabou por denunciar práticas pouco éticas da empresa, em janeiro de 2022.

No palco central da Web Summit, MacGannan, na origem do escândalo conhecido como Uber Files, considera que “os governos e as democracias estão a perder esta batalha de tentar regular as grandes tecnológicas”.

O caso Uber Files está relacionado com a estratégia adotada pela empresa para entrar no mercado. Mark MacGann explica que, quando a plataforma começou a chegar às ruas das cidades, a legislação não permitia a sua atividade. Os responsáveis da empresa, mesmo sabendo da ilegalidade, promoviam a implementação da mesma.

“Os motoristas eram multados, sovados e até assassinados”, descreveu na Web Summit, mas a empresa continuava.

Também no plano político, embora fazer lóbi seja legal, os documentos evidenciam uma postura “pouco ética” por parte da empresa.

Mark MacGann conta que, na época em que a Uber sofria grande contestação por parte do setor do táxi, ele foi muitas vezes ameaçado, incluindo de morte.

MacGann conta ainda que, em janeiro de 2022, quando revelou o conteúdo de mais 100 mil documentos, questionava-se: “porque é que sou eu a falar, quando tantos outros estão em silêncio”. O próprio dá a resposta: “Se tens o privilégio de estar numa sala e testemunhar atos, então tens o dever de falar”.

“O meu objetivo é falar por milhões de motoristas e estafetas que não têm voz e que apenas pedem decência básica, direitos humanos básicos e proteção social básica”, assegura.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Talvez Poder
    03 nov, 2022 Mundo 12:35
    Infelizmente há muito mais empresas e entidades (tipo empresarial) que se tornaram muito mais poderosas do que os estados. Capazes de influenciar e "definir" políticas, leis, paz ou o oposto, vida, verdade ou "desinformação". Não apenas tecnológicas. De todo o tipo e ramos de actividade.

Destaques V+