Tempo
|
A+ / A-

Twitter. Elon Musk promete testar os limites da liberdade de expressão

28 out, 2022 - 22:44 • Reuters

Elon Musk já adquiriu a rede social e as reações não se fizeram esperar. Figuras da política mundial, como Donald Trump e Medvedev, saudam aquilo que acreditam ser uma vitória da liberdade de expressão sobre a "ditadura ideológica" do Twitter.

A+ / A-

Poucas horas depois de Elon Musk ter dado início a uma nova era no Twitter, o bilionário foi inundado com pedidos de utilizadores com contas banidas e de figuras da política internacional.

A enxurrada de solicitações ressalta o desafio que o presidente-executivo da Tesla enfrenta, ao tentar equilibrar a promessa de restaurar a liberdade de expressão e impedir que a plataforma desça "a uma pasiagem infernal", como prometeu numa carta aberta aos anunciantes, esta quinta-feira.

O ex-presidente norte-americano Donald Trump, que foi permanentemente banido da rede social por incitar à violência na invasão ao Capitólio, de 6 de janeiro de 2021, saudou a aquisição, mas foi parco sobre um eventual retorno da sua conta.

"Estou muito feliz pelo Twitter estar em boas mãos agora e não ser mais administrado por lunáticos e maníacos da esquerda radical que realmente odeiam o nosso país."

Dmitry Medvedev, antigo presidente russo e atual vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, parabenizou Musk no Twitter.

"Boa sorte, Elon Musk, em superar o viés político e a ditadura ideológica no Twitter. E desiste da Starlink na Ucrânia", referindo-se ao financiamento da internet na Ucrânia pela empresa de Musk.

Outros pediram a Musk para reverter as suspensões das suas contas na plataforma. Em resposta a um perfil anónimo com 852 mil seguidores, utilizador conhecido por ser um grande apoiante das alegações de fraude eleitoral de Trump e que disse que foi "banido", Elon Musk respondeu que iria "investigar mais hoje".

"Olá, Elon Musk. Agora que és dono do Twitter, vais ajudar a lutar contra a lei de censura online C-11 do Trudeau?", tweetou a Canada Proud, organização que exige a demissão do primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau.

"Primeira vez que ouço [falar disso]", respondeu Musk.

A pressão sobre Elon Musk e o Twitter tem aumentado, uma vez que o dono da Tesla se deverá dirigir à equipa da empresa depois de selar o acordo.

Musk não deu muitos detalhes sobre como vai reestruturar a companhia, mas já admitiu despedimentos, o que tem deixado os 7.500 funcionários da rede social preocupados com o futuro dos seus empregos.

Entretanto, o novo proprietário do Twitter já demitiu alguns dos grandes nomes da empresa, como o diretor executivo, Parag Agrawal, e o diretor financeiro, Ned Segal. Musk também afastou os membros do conselho geral.

"O pássaro foi libertado", tweetou Elon Musk.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+