Tempo
|
A+ / A-

Giorgia Meloni

Nova primeira-ministra de Itália promete defender NATO e UE

25 out, 2022 - 12:08 • Lusa

Promessa foi feita no primeiro discurso de Giorgia Meloni, líder de um partido eurocético, ao Parlamento italiano.

A+ / A-

A nova primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, assegurou esta terça-feira, no seu primeiro discurso ao Parlamento que a Itália vai continuar a ser "um parceiro confiável da NATO", apoiando a Ucrânia contra a Rússia, e defender a integração europeia.

No seu discurso ao Parlamento - onde vai receber esta terça-feira um voto de confiança seguido de outro, na quarta-feira, do Senado, legitimando oficialmente o seu poder -- Meloni sublinhou que "a Itália faz parte do Ocidente, o berço da liberdade e da democracia".

Por isso, adiantou, a Itália vai continuar a ser "um parceiro confiável da NATO [Organização do Tratado do Atlântico Norte]", que apoia a Ucrânia com formação e equipamento na guerra contra a Rússia.

Apesar de liderar um partido eurocético -- o Irmãos de Itália -, Giorgia Meloni assegurou que a intenção "não é impedir ou sabotar a integração europeia", mas sim fazer funcionar melhor a máquina comunitária.

A nova primeira-ministra avisou ainda os deputados que a situação em Itália não "permite perder tempo", agradecendo ao seu antecessor, Mario Draghi, por possibilitar uma rápida passagem do poder, apesar de o Irmãos de Itália ter sido a única força de oposição do Governo anterior.

No seu discurso, Meloni agradeceu também ao Presidente, Sergio Mattarella, por tê-la escolhido como primeira-ministra, na sequência da vitória do partido Irmãos de Itália, nas eleições de 25 de setembro, afirmando que "este é um momento fundamental para a democracia".

Meloni agradeceu também aos seus parceiros de coligação, o partido Liga, liderado por Matteo Salvini, e o partido conservador Força Itália, de Silvio Berlusconi, por permitirem formar um Governo num tempo quase recorde.

Os agradecimentos "mais sinceros" foram, no entanto, enviados "para o povo italiano, o único soberano", segundo referiu Meloni, defendendo que os países que avisaram que irão manter-se "vigilantes" aos movimentos de um Governo de direita e extrema-direita "não estão a respeitar o povo italiano".

A nova líder do executivo italiano admitiu ao Parlamento que sente nos seus ombros "o peso de ser a primeira mulher no cargo de primeira-ministra em Itália", mas garantiu que irá manter as promessas que fez na campanha "mesmo que algumas pessoas possam não gostar".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+