Tempo
|
A+ / A-

Moçambique. Novas incursões em Cabo Delgado fazem cinco mortos

25 out, 2022 - 09:00 • Lusa

A violência eclodiu um dia depois de homens armados terem reduzido a cinzas uma igreja, em Namapamo, no distrito de Chiúre.

A+ / A-

Um grupo armado desconhecido atacou no domingo a vila de Macomia, no centro de Cabo Delgado, Moçambique, matou cinco pessoas e destruiu casas e viaturas, relataram esta terça-feira fontes das milícias locais.

Outras seis pessoas ficaram feridas, das quais três transportadas para o Hospital de Pemba.

Tropas moçambicanas e do Ruanda estacionadas na zona, no norte de Moçambique, responderam ao ataque e, de acordo com uma fonte da comunidade, o bairro mais afetado foi o de Napulubo, de onde os moradores fugiram.

“Houve fogo intenso, estamos nas matas”, descreveu um dos deslocados.

A violência eclodiu um dia depois de homens armados terem reduzido a cinzas uma igreja, mais a sul, em Namapamo, no distrito de Chiúre.

Os mesmos agressores saquearam a comunidade e levaram milho, arroz e galinhas, relatou fonte da aldeia, que lamenta a morte recente de outros residentes, cujos corpos foram encontrados decapitados.

Um grupo de militares foi destacado para Namapamo e Micoleni, outra aldeia alvo de incursões.

A província de Cabo Delgado tem sido aterrorizada desde 2017 por uma violência armada, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

A insurgência levou a uma resposta militar desde há um ano com apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), libertando distritos junto aos projetos de gás, mas surgiram novas vagas de violência a sul da região e na vizinha província de Nampula.

Em cinco anos, o conflito já fez um milhão de deslocados, de acordo com o ACNUR, e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+