Tempo
|
A+ / A-

Flórida

Júri recomenda prisão perpétua para autor do massacre de Parkland

13 out, 2022 - 20:10

O Ministério Público e os familiares das 17 vítimas do tiroteio num liceu de Parkland, na Flórida, em 2018, pediam a pena de morte para Nikolas Cruz.

A+ / A-

Nikolas Cruz, o homem de 24 anos responsável por um tiroteio que vitimou 17 pessoas no Liceu Marjory Stoneman Douglas em Parkland, na Flórida, não vai ser condenado à pena de morte.

O júri responsável por recomendar a pena para o autor do massacre de Parkland, que teve lugar a 14 de fevereiro de 2018, decidiu recomendar prisão perpétua para Cruz.

A decisão gerou visível perturbação entre os familiares das vítimas presentes no tribunal esta quinta-feira. A leitura da sentença pelo juiz está marcada para 1 de novembro.

Responsável por um dos tiroteios em massa mais mortíferos a ser julgado por um júri, Cruz declarou-se culpado das acusações em outubro do ano passado.

O veredito que o poupa à pena capital foi descrito como "irreal" e "errado" por alguns dos familiares das vítimas numa conferência de imprensa.

"Não podia estar mais desapontado com o que aconteceu aqui hoje", disse aos jornalistas Fred Guttenberg, que perdeu a filha Jaime, de 14 anos, no ataque. "Estou estupefacto e devastado. Há 17 vítimas que não receberam justiça hoje. Este júri falhou às nossas famílias."

A decisão do júri também representa um golpe para o Ministério Público, que ao longo do julgamento tentou provar que o crime de Cruz foi "frio, calculado e premeditado", "fatores agravantes" que justificavam a aplicação da pena de morte.

Era necessária uma decisão unânime entre todos os jurados para recomendar a pena de morte. De acordo com informações avançadas em tribunal, um dos elementos do júri considerou que houve "fatores mitigantes" na atuação de Cruz que justificam a pena perpétua e não uma condenação à morte.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+