Tempo
|
A+ / A-

Bruxelas propõe reforço de 170 milhões na verba para combate a incêndios

05 out, 2022 - 13:43 • Lusa

Até 1 de outubro, a área ardida aumentou 30% face a 2017 (o anterior máximo) e 170% desde o início dos registos a nível europeu, em 2006.

A+ / A-

A Comissão Europeia propôs o reforço de 170 milhões de euros no orçamento para 2023 da União Europeia para o combate aos fogos florestais, que registaram números recorde este ano.

De acordo com dados do executivo comunitário, até 1 de outubro, a área ardida aumentou 30% face a 2017 (o anterior máximo) e 170% desde o início dos registos a nível europeu, em 2006.

Com a verba de 170 milhões, a frota de transição da UE passará a um total de 22 aviões, quatro helicópteros, bem como mais equipas terrestres preposicionadas.

A partir de 2025, a frota seria ainda mais reforçada através de uma aquisição acelerada de aviões e helicópteros.

Este ano, a frota do mecanismo incluiu 12 aviões e um helicóptero postos à disposição dos Estados-membros pela Croácia, Espanha, França, Grécia e Itália.

Em 2022, o Centro de Coordenação de Resposta a Emergências (CCRE) recebeu 11 pedidos de assistência em fogos florestais, tendo sido mobilizados 33 aviões e oito helicópteros de combate a incêndios através do Mecanismo de Proteção Civil da UE (rescUE), a que se juntaram 350 bombeiros.

O CCRE é o cerne do rescUE, coordenando a prestação de assistência a países atingidos por catástrofes, tais como artigos de socorro, conhecimentos especializados, equipas de proteção civil e equipamento especializado.

O centro assegura o rápido destacamento de apoio de emergência e funciona como uma plataforma de coordenação entre todos os Estados-membros da UE, os sete outros Estados participantes, o país afetado e os peritos em proteção civil e humanitários.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+