A+ / A-

Gomes Cravinho diz que UE "não se deixará intimidar" por ameaças de Putin

22 set, 2022 - 07:14 • Lusa

Na quarta-feira, o Presidente da Rússia anunciou a mobilização de 300 mil reservistas para a guerra na Ucrânia.

A+ / A-

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou que a UE "não se deixará intimidar" pelas ameaças do Presidente russo sobre uma escalada nuclear da guerra na Ucrânia e garantiu que Portugal vai apoiar a decisão coletiva de aplicar mais sanções a Moscovo.

Em declarações à imprensa portuguesa, no final de uma reunião de emergência de ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, na quarta-feira, em Nova Iorque, João Gomes Cravinho declarou que "foi unânime" o sentimento partilhado por todos os homólogos no encontro.

"Não há decisões formais, porque isto não foi uma reunião formal. Contudo, é uma reunião que teve uma presença da grande maioria dos MNE e, portanto, permitiu tirar o pulso político daquilo que é o sentimento coletivo em relação a três novas dimensões que resultam do discurso do Presidente Putin: em primeiro lugar, a sua decisão quanto à mobilização parcial; segundo, a ideia de avançar com referendos ilegais que permitem a anexação do território ucraniano pela Rússia; e terceiro, muito lamentavelmente, as suas ameaças explícitas em relação à utilização de armas de destruição maciça", afirmou.

"O sentimento partilhado por todos, unânime, nesta reunião, foi que a União Europeia não se deixará intimidar. A União Europeia não pode aceitar este tipo de atitude, continuará firme no seu apoio à Ucrânia e haverá agora, naturalmente, um reforço de sanções que serão discutidas logo que houver oportunidade para reuniões formais", declarou o chefe da diplomacia portuguesa.

Na quarta-feira, o Presidente da Rússia anunciou a mobilização de 300 mil reservistas para a guerra na Ucrânia, a realização de referendos para a anexação de territórios ucranianos e prometeu recorrer a "todos os meios ao seu dispor" para proteger o país, numa alusão ao armamento nuclear, acrescentando: "isto não é bluff".

No final de uma reunião de emergência, na quarta-feira, em Nova Iorque, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, anunciou que vai manter a ajuda militar à Ucrânia e aumentar as sanções à Rússia.

João Gomes Cravinho frisou que Portugal vai apoiar esta decisão coletiva. "Perante esta atitude russa, do Presidente Putin, não podemos ficar indiferentes. Reforçaremos as sanções, reiteraremos o nosso apoio à Ucrânia. E na declaração conjunta que saiu desta reunião há também a referência à continuação do apoio com equipamento militar para que a Ucrânia se possa defender contra esta agressão russa", indicou.

Durante a tarde, João Gomes Cravinho, que se encontra em Nova Iorque para a 77.ª Assembleia-Geral da ONU, vai participar numa reunião da NATO.

A expectativa do ministro para esse encontro é que vai encontrar "exatamente o mesmo estado de espírito, que é o de firmeza no apoio à Ucrânia e de não se deixar intimidar" pelas ameaças de Moscovo.

"Creio que, naturalmente, nos preocupam os sinais de desespero, sinais de desorientação que saem de Moscovo. Preocupa-nos também o sinal que é dado, que é um sinal de que estão dispostos a tudo para não perder a face. Mas há que apostar na finalidade e a racionalidade aponta para a necessidade de encontrarmos uma saída que passe pela retirada das forças russas da Ucrânia", salientou.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    22 set, 2022 Lisboa 07:45
    Reforço de sanções e reforço do envio de material militar para a Ucrânia, bem entendido. Hoje por hoje, são os únicos a dar o corpo às balas contra a Rússia.

Destaques V+