Tempo
|
A+ / A-

Guerra

Suécia anuncia ajuda de 94 milhões de euros à Ucrânia

29 ago, 2022 - 11:45 • Lusa

Estocolmo diz que vai especificar “em breve” o tipo de armamento que vai enviar ao país.

A+ / A-

O Governo da Suécia anunciou esta segunda-feira um novo pacote de auxílio à Ucrânia, no valor de 94 milhões de euros, que será dividido em partes iguais entre ajuda económica e militar.

O anúncio foi conhecido durante a visita do ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, a Estocolmo, onde agradeceu o apoio fornecido pela Suécia e voltou a sublinhar as deficiências da artilharia ucraniana na defesa contra a nova invasão da Rússia, que teve início em fevereiro passado.

“A Suécia vai continuar a ser um amigo e um aliado muito próximo e vai apoiar a Ucrânia”, disse a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, acrescentando que o apoio militar encontra-se em “consonância com as necessidades ucranianas”.

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Suécia, Ann Linde, assinalou, por sua vez, que Estocolmo vai especificar “em breve” o tipo de armamento que vai ser enviado para a Ucrânia.

“Enquanto a guerra prosseguir vamos continuar a pedir armas”, afirmou Kuleba que pediu “à Europa para se manter unida” contra a Rússia.

O Governo sueco realizou, até ao momento, três envios de armamento para a Ucrânia que incluíram sistemas de mísseis, lança-foguetes, espingardas e munições, além de mantimentos.

Com o fornecimento de armas à Ucrânia, a Suécia rompeu a tradição de não enviar material militar para países em conflito, interrompida desde a invasão soviética da Finlândia em 1939.

A intervenção militar russa no território ucraniano também levou a que tanto a Finlândia como a Suécia pusessem termo ao seu estatuto de não-alinhamento e se candidatassem à adesão à NATO, processo que foi aprovado na última cimeira da Aliança Atlântica que decorreu em Madrid, Espanha, em junho passado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+