Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Prejuízos da guerra na Ucrânia ultrapassam 113 mil milhões de dólares

21 ago, 2022 - 21:54 • Lusa

Portugal vai participar, com outros países, na reconstrução de escolas na região de Jitomir, a cerca de 150 quilómetros de Kiev, onde se estima que tenham sido destruídos cerca de 70 estabelecimentos de ensino.

A+ / A-

As perdas da economia ucraniana devido à guerra iniciada pela Rússia há quase seis meses atingiram 113.500 milhões de dólares (113 mil milhões de euros), segundo estimativas divulgadas hoje pela Escola de Economia de Kiev (KSE).

Os dados foram anunciados por Maksym Nefyodov, que lidera os projetos de apoio à reconstrução do país no Instituto KSE, um centro de estudos da instituição académica, segundo a agência Ukrinform.

De acordo com dados da KSE, a guerra danificou ou destruiu milhares de habitações, empresas, edifícios administrativos, estruturas de educação, aeroportos, centros comerciais e instalações de saúde e de serviços sociais, entre outras infraestruturas.

Nefyodov disse que os trabalhos em curso também se centram nas "necessidades de recuperação" do país, referindo que é nessa direção que caminha o projeto "Russia Will Pay" (A Rússia irá pagar).

O objetivo deste projeto, segundo o 'site' da KSE, é "documentar, verificar, analisar e estimar todos os danos materiais causados à infraestrutura física da Ucrânia".

O projeto envolve a Presidência da República e os ministérios da Economia, da Reintegração dos Territórios Temporariamente Ocupados, das Infraestruturas, e do Desenvolvimento das Comunidades e Territórios da Ucrânia, contando com apoio norte-americano.

Nefyodov disse que as equipas da KSE estão a analisar imagens da destruição e dos danos nas infraestruturas da Ucrânia, recolhidas com a ajuda de drones (aeronaves não pilotadas) e satélites.

Trata-se de registar os danos causados pela guerra e oferecer soluções abrangentes para a reconstrução das cidades afetadas, referiu.

"Quando a reconstrução começar, queremos que as antigas infraestruturas soviéticas não sejam apenas restauradas", disse, aludindo ao tempo em que a Ucrânia fez parte da União Soviética.

"Queremos que estas infraestruturas sejam mais confortáveis, satisfaçam os princípios modernos do urbanismo e as normas europeias. Afinal, a Ucrânia já se tornou um candidato à adesão à União Europeia [UE], e devemos estar prontos para a máxima integração", acrescentou.

No início de julho, o primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmygal, divulgou um plano de reconstrução da Ucrânia com um investimento a 10 anos de 750.000 milhões de dólares (mais de 746.600 milhões de euros, ao câmbio atual).

O investimento inclui os custos das reformas necessárias relacionadas com a adesão da Ucrânia à UE.

O plano foi divulgado numa conferência em Lugano, Suíça, em que quase quatro dezenas de países, incluindo Portugal, e instituições assinaram uma declaração sobre os princípios orientadores da reconstrução da Ucrânia.

Portugal vai participar, com outros países, na reconstrução de escolas na região de Jitomir, a cerca de 150 quilómetros de Kiev, onde se estima que tenham sido destruídos cerca de 70 estabelecimentos de ensino.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    22 ago, 2022 Lisboa 16:57
    A Rússia nunca pagará indemnizações de guerra de forma voluntária, logo a atitude a seguir é o confisco pura e simples e usar os fundos Russos bloqueados no exterior para a reconstrução integral da Ucrânia e para pagar pensões às famílias daqueles que perderam entes queridos de quem dependiam. A Rússia vai fazer o quê? Levar o caso aos Tribunais Internacionais que acumulam condenações contra ela e que a Rússia tem ignorado? Cortar relações? Bom proveito. Ameaçar com o nuclear? Ora, se quisessem usar mesmo o nuclear já o tinham feito, principalmente agora que estão estagnados na Ucrânia. Atacar Washington e Bruxelas com Hipersónicos, que dentro de 6 meses já podem ser abatidos por baterias de raios laser em final de aprontamento e teste? Putin teve mais olhos que barriga: esperava acabar com a Ucrânia numa semana, e enfrentar apenas os protestos formais do costume em que um mês depois já ninguém ligava. Isso não aconteceu e ele não preparou nenhuma retirada honrosa para o caso do plano falhar. Agora...
  • Digo eu
    21 ago, 2022 E assim 21:17
    Confisquem os fundos Russos depositados no Ocidente e usem-nos para a reconstrução da Ucrânia. É apenas justo, que aqueles que destruíram o País Ucrânia, agora paguem a sua reconstrução. E se a Rússia vier com a conversa do corte de relações ... Tanto melhor.

Destaques V+