Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Oito milhões de crianças estão em risco de morrer à fome

17 ago, 2022 - 16:57 • Lusa

Ao todo, 50 milhões de pessoas vivem em condições catastróficas e em situação de fome aguda, realça a organização Save the Children.

A+ / A-

Seis organizações não-governamentais (ONG) de apoio às crianças alertam que há oito milhões de menores em perigo de morrer à fome em pelo menos 15 países, a maioria dos quais está em África.

"Se não atuarmos agora, as consequências desta crise de fome terão repercussões devastadoras, na vida, na saúde, na nutrição, na edução, na proteção e na sobrevivência dos meninos e das meninas", diz a diretora da organização Save the Children, Inger Ashing, acrescentando que a crise é "sem precedentes".

Entre os países abrangidos na nota das ONG estão o Afeganistão e o Iémen, além dos países subsaarianos Burkina Faso, República Democrática do Congo, Etiópia, Mali, Nigéria, Somália e Sudão do Sul.

A comunidade internacional tem "a responsabilidade coletiva de garantir que se tomam medidas urgentes para evitar a morte de centenas de milhares de meninos e meninas" que vivem entre os 50 milhões de pessoas com condições de vida catastróficas e em situação de fome aguda, refere a nota.

"As nossas organizações, que trabalham diretamente com estas famílias e com as comunidades de todo o mundo, testemunham diariamente os efeitos devastadores dos conflitos, da crise climática, da covid-19 e das consequências da guerra da Ucrânia", aponta Ashing.

A dirigente da Save the Children conclui que o perigo é ainda maior para as meninas, que podem ser obrigadas a contrair casamento em idade infantil, a gravidezes precoces, abandono escolar e exploração sexual.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+