Tempo
|
A+ / A-

Reino Unido

Caso Archie Battersby. Pais recorrem a Tribunal Europeu e adiam o desligar das máquinas

03 ago, 2022 - 09:45 • Olímpia Mairos

A criança de 12 anos foi encontrada inconsciente no dia 7 de abril e está internada desde então, em morte cerebral.

A+ / A-

Os pais de Archie Battersbee recorreram ao Tribunal Europeu e conseguiram adiar o desligar de máquinas do filho, que esteve previsto para as 11h00 desta quarta-feira.

“Não desistiremos de Archie até ao fim”, declarou a mãe, citada pelo Daily Mail.

Cabe agora ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem decidir o futuro do adolescente de 12 anos, que foi encontrado inconsciente em casa, com uma ligadura no pescoço pela mãe, em Southend, Essex, no dia 7 de abril.

Hollie Dance acredita que o que aconteceu foi resultado de um desafio na rede social Tik Tok, que consiste em cortar o fornecimento de oxigénio ao cérebro até se perder a consciência.

A criança foi transportada para o Royal London Hospital, em Londres, tendo sido diagnosticada com “morte cerebral”. Desde então para cá travou-se uma batalha judicial entre o hospital e os pais de Archie, que se recusam a aceitar a recomendação dos médicos para desligar as máquinas de suporte de vida que têm mantido os sinais vitais da criança, que está em coma há três meses.

Segundo os médicos, o corpo da criança vai colapsar eventualmente, por falência de órgãos e, em seguida, insuficiência cardíaca, mesmo com os tratamentos de suporte de vida, mas a família mantém acesa a chama da esperança e acredita que na recuperação da criança.

Depois das outras instâncias, foi a vez do Supremo Tribunal do Reino Unido decidir desligar as máquinas já esta quarta-feira.

Em comunicado, os juízes afirmam que “têm grande simpatia pela situação”, argumentando, no entanto, que os pais esgotaram os “direitos legais” para manter a criança ventilada.

[notícia atualizada às 11h35]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+