A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Rússia prepara referendo para anexar Zaporíjia

25 jul, 2022 - 11:50 • Olímpia Mairos

A informação foi avançada pelo representante de Moscovo na região de Zaporíjia. A consulta pode acontecer em inícios de setembro.

A+ / A-

Moscovo está a preparar dois referendos para que as regiões ucranianas de Zaporíjia e Kherson passem a ser consideradas parte da Rússia. A informação foi avançada à agência russa RIA Novosti por um dos representantes russos na região ocupada.

“Tudo está a acontecer para que o referendo aconteça na primeira metade de setembro”, disse Vladimir Rogov, citado pelo The Guardian. Já estão a ser formadas comissões eleitorais cujo principal trabalho será “esclarecer os eleitores, uma vez que algumas pessoas deixaram a região”.

O representante russo adianta ainda que é “muito provável” que exista um referendo ao mesmo tempo em Khersson também sobre a integração da região em território russo.

Recorde-se que a Rússia anexou a Crimeia, em 2014, após um referendo organizado pelo governo local, uma anexação que a maior parte dos países continua a considerar ilegal.

A ofensiva militar russa causou a fuga de mais de 16 milhões de pessoas, das quais mais de 5,9 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A organização internacional tem observado o regresso de pessoas ao território ucraniano, mas adverte que estão previstas novas vagas de deslocação devido à insegurança e à falta de abastecimento de gás e água nas áreas afetadas por confrontos.

Também segundo as Nações Unidas, mais de 15,7 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    25 jul, 2022 Funchal 20:41
    Quero, posso e mando. Nada a fazer, o Ocidente é fraco e dependente. Infelizmente os EUA têm um lider idoso e fraquinho, falta um Obama.
  • Ivo Pestana
    25 jul, 2022 Funchal 20:41
    Quero, posso e mando. Nada a fazer, o Ocidente é fraco e dependente. Infelizmente os EUA têm um lider idoso e fraquinho, falta um Obama.
  • Digo
    25 jul, 2022 Eu 11:21
    Podem fazer os referendos manipulados que quiserem, que ninguém, nem na Ucrânia nem no Ocidente, reconhecerá validade a essa fraude. Quanto muito, os fantoches que andam na órbita russa. De resto, nem a Resistência nem o Exército Ucraniano vos vão dar 1 minuto de descanso. E para o caso de voltarem a rosnar ameaças nucleares, já foram avisados: um tresloucado ato nuclear, significa a entrada imediata da NATO na guerra, que assim se torna Global.

Destaques V+