Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra

"Questão de vida ou de morte". UE espera desbloquear cereais nos portos da Ucrânia

18 jul, 2022 - 11:23 • Lusa

Tanto a Ucrânia como a Rússia são importantes fornecedores dos mercados mundiais, especialmente de cereais e óleos vegetais, como trigo, cevada e milho.

A+ / A-

O Alto Representante da União Europeia para a Política Externa e de Segurança disse esta segunda-feira que tem a expectativa de que seja alcançado um acordo para desbloquear as exportações ucranianas de cereais, falando numa "questão de vida ou de morte".

"A vida de milhares, de dezenas de milhares de pessoas, depende deste acordo, isto não é um jogo diplomático, é uma questão de vida ou de morte para muitos seres humanos e a questão é que a Rússia tem de desbloquear e permitir que os cereais ucranianos sejam exportados", disse Josep Borrell aos jornalistas à chegada à reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, em Bruxelas.

Borell diz ter esperança num acordo para "desbloquear Odessa e outros portos ucranianos", no dia em que representantes de Kiev e Moscovo se sentam à mesma mesa, na Turquia, para debater esta questão.

"A Rússia continua a bloquear o trigo ucraniano -- estão a queimá-lo, estão a destruí-lo -- e continuam a realizar uma guerra de desgaste, bombardeando indiscriminadamente qualquer tipo de infraestrutura civil, matando pessoas inocentes. Isto é uma tragédia", lamentou o chefe da diplomacia europeia.

No Conselho de hoje, os chefes da diplomacia europeia vão então discutir como “continuar a apoiar a Ucrânia”, estando em cima da mesa mais apoio militar à Ucrânia, esperando o Alto Representante da UE que os ministros cheguem “a um acordo político sobre isso”.

A posição surge numa altura de confronto armado na Ucrânia devido à invasão russa e de bloqueio das exportações nos portos ucranianos, tensões geopolíticas que estão a afetar cadeias de abastecimento, causando receios de rutura de ‘stocks’ e de crise alimentar.

Tanto a Ucrânia como a Rússia são importantes fornecedores dos mercados mundiais, especialmente de cereais e óleos vegetais, como trigo, cevada e milho, sendo que Kiev é também responsável por mais de 50% do comércio mundial de óleo de girassol e um importante fornecedor de ração para a UE.

Estima-se que milhões de toneladas de trigo estejam retidas na Ucrânia, sendo que a exportação habitual ucraniana neste setor era de cinco milhões de toneladas de trigo por mês.

Na reunião de hoje, participa por videoconferência o ministro dos Negócios Estrangeiros, da Ucrânia, Dmytro Kuleba, que vai explicar a situação no terreno.

Na ocasião, será também discutida a atualização das sanções europeias à Rússia, proposta por Bruxelas na sexta-feira, que também inclui a proibição das importações do ouro russo,

Falando à imprensa, Josep Borrell explicou que o objetivo desta atualização é “melhorar a implementação das sanções já existentes […] para ter a certeza de que as sanções são eficazes”, rejeitando que estas medidas restritivas sejam “um erro”. “Foi o que tivemos de fazer e vamos continuar a fazer”, adiantou.

Na passada sexta-feira, a Comissão Europeia propôs uma proibição, na UE, às importações de ouro russo e um reforço dos controlos às exportações de tecnologia avançada, medidas que visam um “alinhamento das sanções” europeias com as internacionais.

De acordo com Josep Borrell, os chefes de diplomacia dos 27 vão também discutir a ampliação da lista de indivíduos e entidades alvo de sanções pela agressão da Rússia à Ucrânia.

Desde fevereiro passado, mês em que Moscovo lançou a invasão da Ucrânia, a UE já adotou seis pacotes de sanções, sendo que os dois últimos abrangeram o setor energético – um embargo ao carvão russo, no quinto, e uma proibição parcial às importações de petróleo russo, no sexto.

Já a lista de sanções da UE dirigida à Rússia, aberta na sequência da anexação da Crimeia em 2014, tem aumentado consideravelmente nos últimos meses, e conta atualmente com 1.090 pessoas, incluindo o Presidente russo, Vladimir Putin, e 80 entidades.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+