Tempo
|
A+ / A-

Rússia nega envolvimento em crises políticas no Reino Unido e Itália

15 jul, 2022 - 14:01 • Lusa

"Este é um assunto interno destes países, não vamos interferir de forma alguma e não temos relação com isso", diz porta-voz do Kremlin.

A+ / A-

O Kremlin rejeitou esta sexta-feira ter qualquer relação com as crises políticas desencadeadas em alguns países europeus, como Itália ou Reino Unido.

"Este é um assunto interno destes países, não vamos interferir de forma alguma e não temos relação com isso", disse o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, na sua conferência de imprensa diária.

Quando questionado sobre a situação política em Itália e no Reino Unido, Peskov sublinhou que não tinha "mais nada a acrescentar".

O Presidente de Itália, Sergio Mattarella, recusou na quinta-feira a demissão do primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, e pediu-lhe para se apresentar no Parlamento -- na próxima quarta-feira - e verificar se continua a garantir uma maioria para governar.

Draghi apresentou a sua demissão a Mattarella após um dos principiais parceiros da coligação, o Movimento Cinco Estrelas (M5S), ter indicado que não o apoiaria numa moção de confiança apresentada no Senado (câmara alta do parlamemto).

O M5S absteve-se na votação da moção, ao contrário dos restantes parceiros da heterogénea coligação que viabilizaram a moção de confiança, que obteve 172 votos a favor e 39 contra.

Já o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson demitiu-se da liderança dos 'tories' em 07 de julho, na sequência da saída de mais de 50 membros do governo, que responsabilizaram o primeiro-ministro por uma série de escândalos, mas mantém-se em funções até à conclusão do processo.

O vencedor da eleição será, por conseguinte, convidado pela rainha Isabel II a formar governo, sem necessidade de eleições legislativas, pois o Partido Conservador possui uma maioria absoluta no parlamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+