Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Filha de José Eduardo dos Santos quer impedir que corpo saia de Espanha

08 jul, 2022 - 15:00 • Redação com Lusa

Tchizé dos Santos exige autópsia antes da transladação, dias depois de ter sugerido que o ex-Presidente foi vítima de tentativa de homicídio.

A+ / A-

Tchizé, uma das filhas de José Eduardo dos Santos, quer impedir a saída do corpo do pai antes da realização da autópsia.

Num comunicado assinado pelos advogados de Tchizé, a irmã de Isabel dos Santos diz que não quer que o corpo seja trasladado antes da realização de uma autópsia.

O ex-Presidente de Angola morreu esta sexta-feira, aos 79 anos, numa clínica em Barcelona, onde esteve internado nas últimas semanas na sequência de uma queda.

Ainda enquanto o pai estava ligado às máquinas, Tchizé dos Santos sugeriu que este foi assassinado, exigindo uma investigação ao caso em Espanha.

“Tchizé dos Santos, filha do antigo Presidente de Angola Eduardo dos Santos, hospitalizado na Clínica Teknon em Barcelona em coma induzido, apresentou queixa junto dos Mossos d’Esquadra [polícia da Catalunha] para investigar a alegada realização dos crimes de tentativa de homicídio, omissão do dever de assistência, ferimentos devidos a negligência grosseira e revelação de segredos por pessoas próximas“, confirmou Carmen Varela, advogada de Tchizé, em declarações à Lusa a 4 de julho.

Esta sexta-feira, numa de várias publicações que fez por ocasião da morte do pai, a irmã de Isabel dos Santos declarou: "Mataram o nosso pai."

José Eduardo dos Santos tinha sido hospitalizado na Clínica Teknon, em Barcelona, Espanha, há duas semanas

A sua colocação nos cuidados intensivos trouxe à luz tensões no seio da família, nomeadamente entre a ex-mulher de José Eduardo dos Santos, Ana Paula, e pelo menos uma das filhas do ex-Presidente, Tchizé dos Santos.

De acordo com um dos seus advogados, a filha de José Eduardo dos Santos acredita que a ex-mulher do seu pai, Ana Paula, e o médico pessoal do ex-presidente são responsáveis pela deterioração da sua saúde.

Segundo os seus advogados, Tchizé dos Santos afirma que o seu pai e a ex-mulher estavam separados há algum tempo e que ela não tem poder de decisão sobre a sua saúde porque o seu casamento não é legalmente reconhecido em Espanha.

José Eduardo dos Santos, 79 anos, é pai de oito filhos com cinco mulheres e esteve à frente dos destinos de Angola durante 38 anos.

Eduardo dos Santos governou Angola entre 1979 e 2017, tendo sido um dos Presidentes a ocupar por mais tempo o poder no mundo e era regularmente acusado por organizações internacionais de corrupção e nepotismo.

Em 2017, renunciou a recandidatar-se e o atual Presidente, João Lourenço, sucedeu-lhe no cargo, tendo sido eleito também pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), que governa no país desde a independência de Portugal, em 1975.

Tchizé e Isabel dos Santos receiam detenção em Angola?

Emídio Fernando, diretor da Rádio Essencial, em Angola, antecipa vários problemas até que ocorra o funeral de José Eduardo Santos, o antigo Presidente angolano, que morreu esta sexta-feira, em Barcelona.

Duas das filhas, Tchizé e Isabel dos Santos, por exemplo, receiam que, se forem até Angola para as cerimónias fúnebres, acabem detidas. “Esta não é uma situação normal. Elas têm dito que são perseguidas”, diz à Renascença.

Ainda no mês passado, a Procuradoria-Geral da República de Angola tentou deter Isabel dos Santos na Holanda.

Ao mesmo tempo, “Zenu” dos Santos, outro dos filhos do ex-presidente, está impedido de sair de Angola “por razões que ninguém sabe”. “Ele esteve detido durante algum tempo, por causa de um processo. Ainda não há condenação, por causa do recurso. Não tem passaporte, apesar de o Supremo já ter indicado que devia ser restituído”, lembra Emídio Fernando.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+