Tempo
|
A+ / A-

Rússia vai fornecer mísseis táticos à Bielorrússia

25 jun, 2022 - 18:59 • Lusa

Lukashenko expressou sua preocupação a Putin sobre voos de treino de aeronaves dos Estados Unidos e da NATO, capazes de transportar armas nucleares. Putin respondeu com a oferta de modernizar, na Rússia, os aviões de assalto Su-25 que a Força Aérea da Bielorrússia possui.

A+ / A-

A Rússia vai fornecer à Bielorrússia mísseis táticos Iskander-M, iguais aos que está a usar na guerra na Ucrânia, anunciou hoje o Presidente russo, Vladimir Putin, numa reunião com seu homólogo bielorrusso, Alexandr Lukashenko, em São Petersburgo.

“Concordámos com o seu pedido e tomámos uma decisão. Nos próximos meses, forneceremos à Bielorrússia sistemas de mísseis táticos Ikander-M, que podem ser usados ??como mísseis balísticos ou de cruzeiro, com cargas nucleares e convencionais”, disse o líder do Kremlin, citado pela agência Interfax

O míssil Iskander-M tem autonomia até 500 quilómetros

Lukashenko expressou sua preocupação a Putin sobre voos de treino de aeronaves dos Estados Unidos e da NATO, capazes de transportar armas nucleares.

“Eles ensaiam o transporte de armas nucleares. Por favor, ajude-nos a adaptar os nossos aviões”, disse o Presidente bielorrusso a Putin.

A este pedido, o chefe do Kremlin respondeu com a oferta de modernizar, na Rússia, os aviões de assalto Su-25 que a Força Aérea da Bielorrússia possui.

“Concordo totalmente que tem de se preocupar com a nossa segurança, a segurança da União Estatal (Rússia-Bielorrússia) e talvez de outros países da Organização do Tratado de Segurança Coletiva”, disse Putin, referindo-se à aliança que, além da Rússia e da Bielorrússia, inclui a Arménia, o Cazaquistão, o Quirguistão e o Tajiquistão.

As conversações entre os dois países ocorreram no âmbito de uma visita de três dias de Lukashenko à Rússia, na qual os encontros com Putin nos dois primeiros dias foram informais e fechados à imprensa.

De acordo com o Governo ucraniano, o Kremlin quer que a Bielorrússia se junte às suas Forças Armadas na campanha militar que está a levar a cabo na Ucrânia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    27 jun, 2022 Lisboa 10:32
    O capacho do Kremlin está a chamar atenções para uma possível entrada da Bielorrussa na guerra, mas duvido que esteja disposto a levar com sanções e a enfrentar diretamente as defesas Ucranianas. Não iria cair bem as tropas bielorrussas renderem-se em massa aos Ucranianos ...

Destaques V+