Tempo
|
A+ / A-

Putin diz que UE perde cerca de 400 mil milhões de euros com sanções

17 jun, 2022 - 16:57 • Lusa

Presidente russo defende que estamos a viver o fim do mundo unipolar liderado pelos Estados Unidos, apesar das tentativas do Ocidente de o preservar "através de todos os meios".

A+ / A-

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse hoje que a União Europeia (UE) perderá mais de cerca de 400 mil milhões de euros no próximo ano, devido às sanções que impôs contra Moscovo, por causa da invasão da Ucrânia.

"Segundo estimativas de especialistas, a febre das sanções pode causar prejuízos diretos à UE de mais de 400 mil milhões de dólares (cerca de 400 mil milhões de euros) no próximo ano. Esse é o preço de decisões distantes da realidade e tomadas sem bom senso", denunciou Putin, no Fórum Económico de Petersburgo.

Para o líder russo, a UE já perdeu a sua soberania e as suas elites "dançam ao som da música de outros", referindo-se à influência dos Estados Unidos e à incapacidade dos países europeus para definirem uma estratégia própria.

"Fazem tudo o que desde cima lhes mandam fazer, causando danos à sua própria população e à sua economia, aos seus negócios", denunciou Putin, referindo-se às sanções impostas a Moscovo por Bruxelas.

Putin disse que a inflação em vários países da zona euro já ultrapassou os 20%, em grande parte por causa do boicote aos produtos energéticos russos.

"O aumento dos preços, a inflação, os problemas com alimentos e combustíveis, gasolina, os problemas do setor energético como um todo são fruto de erros sistémicos na política económica do atual Governo norte-americano e da burocracia europeia", explicou Putin.

Sobre o impacto das sanções ocidentais na economia russa, Putin desvalorizou os efeitos.

"Estamos a normalizar a situação económica, passo a passo. Começámos por estabilizar os mercados financeiros, o sistema bancário e as cadeias comerciais. Depois, começámos a injetar liquidez na economia, para manter a estabilidade das empresas", disse Putin.

"Estados Unidos parecem não perceber..."

Vladimir Putin defendeu ainda que estamos a viver o fim do mundo unipolar liderado pelos Estados Unidos, apesar das tentativas do Ocidente de o preservar "através de todos os meios".

Para o Presidente russo, essa era "chegou ao fim" e vamos assistir a uma mudança "que é um processo natural da história".

"Os Estados Unidos parecem não perceber que, nas últimas décadas, novos e poderosos centros se formaram e estão cada vez mais a ganhar voz, cada um deles desenvolvendo os seus sistemas políticos e instituições públicas", explicou Putin.

Para explicar o declínio do Ocidente, o líder russo lembrou que os EUA deixaram de ser um país exportador, para se tornarem economia importadora, o que provocou uma crise económica global.

Sobre a situação na Ucrânia, Putin garantiu que as forças militares russas cumprirão "sem falhas" os objetivos iniciais da "operação militar especial", iniciada em fevereiro.

O Presidente russo elogiou a "coragem e heroísmo dos soldados", "a consolidação da sociedade russa", bem como a compreensão do caráter "justo" desta operação militar.

Putin repetiu que foi "obrigado" a iniciar a campanha militar, em face de "riscos e ameaças" à Rússia, alegando que o seu país tem o direito de "defender a sua segurança".

"A decisão visa proteger os nossos cidadãos, os habitantes das repúblicas do Donbass, que ao longo de oito anos foram submetidos ao genocídio pelo regime de Kiev e por neonazis protegidos pelo Ocidente", conclui o líder russo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    18 jun, 2022 Lisboa 18:53
    Qualquer dia não tens dinheiro para pagar as dividas e dizes que as sanções não estão a resultar. E se não fosse o teu amigo Urban a sabotar sanções mais pesadas, os boches e franciús que caíram na armadilha dos combustíveis baratos, cheios de hesitações, e os EUA serem chefiados por um avozinho que devia estar em casa a brincar com os netos em vez de estar à frente de um País daqueles, então aí, os teus problemas eram piores: desde o 1.º dia, uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia com o abate dos aviões russos que por lá andassem - e de caminho, as armas nucleares do Ocidente em Alerta para o caso de seres estúpido suficiente para recorrer ao nuclear - , uma esquadra Ocidental a manter à distancia a marinha russa com esse bloqueio ilegal aos portos Ucranianos, armamento pesado defensivo e ofensivo, este com capacidade para chegar a Moscovo, em quantidade e qualidade, entregue ao Exército Ucraniano e por aí fora. Declaravas a guerra? Não, pah, não declaravas. Aí era a tua vez de procurar desculpas airosas para recuar, pois sabias bem que uma coisa é enfrentar a Ucrânia desarmada, outra é enfrentar a NATO mais a Ucrânia, "armada". E aos tipos como tu, não se recua, nem se mostra medo. Mostram-se é os punhos.

Destaques V+