Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

NATO defende entrega de “mais armas pesadas” à Ucrânia

15 jun, 2022 - 06:43 • Diogo Camilo

Após uma reunião com líderes europeus, na qual também esteve presente António Costa, Jens Stoltenberg indicou que os aliados estão "aumentar os esforços" para fornecer armamento a Kiev.

A+ / A-

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, defendeu que o Ocidente deve enviar para a Ucrânia “mais armas pesadas” de maneira a combater a “brutal invasão” das forças russas na região ucraniana de Donbass.

“Sim, a Ucrânia deveria ter mais armas pesadas. Os aliados da NATO têm fornecido armas pesadas há algum tempo, mas estão agora a aumentar estes esforços”, realçou o responsável máximo da aliança militar durante uma conferência de imprensa em Haia, após uma reunião com líderes de sete países europeus na qual também esteve presente o primeiro-ministro português, António Costa.

Na terça-feira, o ministro da Defesa da Ucrânia, Oleksiy Reznikov, indicou que o país apenas recebeu uma parte das armas que pediu, com o primeiro-ministro polaco a apontar que o Ocidente “não está a fazer o suficiente” para apoiar a Ucrânia.

Na reunião, onde também estiveram os líderes de Bélgica, Dinamarca, Roménia e Letónia, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, defendeu que é necessário evitar um “confronto direto com a Rússia”.

“Em termos de armamento, estamos em sintonia de que é crucial que a Rússia perca. Temos de garantir que a Ucrânia pode combater esta guerra e que tem acesso a todo o armamento necessário”, disse Rutte em antevisão à cimeira da NATO, que tem lugar em Madrid nos dias 29 e 30 de junho.

As forças russas concentraram nas últimas semanas a ofensiva no Donbass, região que segundo as autoridades ucranianas controlam praticamente na totalidade, e o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, tem apelado ao Ocidente para que envie mais equipamento militar para travar o avanço de Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    17 jun, 2022 Lisboa 07:27
    Aqueles que querem a Paz a qualquer preço - "preço" esse que é apenas e só uma extensão territorial igual à Suiça mais a austria juntas - preço esse que eles reservam à Ucrânia para pagar, apenas digo: se a Ucrânia deixar de lutar, a Ucrânia desaparece. Se a Rússia deixar de lutar, a guerra termina. Em vez de pedirem à Ucrânia para premiar invasores cedendo o equivalente territorial de meia-Itália, vão até Moscovo pedir a Putin que retire as tropas de território Ucraniano, que aí a guerra pára.
  • Cala-te IVO
    15 jun, 2022 Setúbal 20:28
    Não deem armas à Ucrânia que isso só prolonga a guerra. Deixem a Russia ganhar e retalhar a Ucrânia, no caminho para a invasão de outro País. E de outro. e de mais outro. Intervenham só quando o Putin chegar a Setubal. Aparece aqui cada especime putinista...
  • Ivo Pestana
    15 jun, 2022 RaM 13:39
    Armas e mais armas e a guerra vai durar anos. Nós, humanos somos estúpidos e não aprendemos, nada, com a história.

Destaques V+