Tempo
|
A+ / A-

OSCE pede ao Reino Unido que não extradite Assange para os EUA

08 jun, 2022 - 00:17 • Lusa

Teresa Ribeiro, representante da OSCE, apela a Londres que tenha em consideração "o interesse público de várias publicações do WikiLeaks, que contribuíram para importantes relatórios e relatórios investigativos".

A+ / A-

A representante da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) para a liberdade de imprensa, Teresa Ribeiro, pede ao Reino Unido para não extraditar o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, para os Estados Unidos.

A antiga secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação (2015-2019) solicitou às autoridades britânicas que levem em conta o impacto essa decisão "sobre a liberdade de expressão".

Teresa Ribeiro instou o secretário do Interior britânico, Priti Patel, a ter em consideração "o interesse público de várias publicações do WikiLeaks, que contribuíram para importantes relatórios e relatórios investigativos", segundo um comunicado.

"Que alguém que revele material de interesse público possa enfrentar uma longa pena de prisão pode ter um impacto sério e duradouro no jornalismo de investigação", disse a responsável portuguesa.

Nesta linha, Teresa Ribeiro lembrou aos 57 países associados à OSCE, incluindo o Reino Unido, que o acesso à informação de interesse público "permite que pessoas tomem decisões bem informadas, garante transparência e prestação de contas".

A Justiça britânica deu a sua aprovação em abril para extraditar o ativista para os Estados Unidos, cuja Justiça o acusa por 18 alegados crimes de espionagem e invasão de computadores para as revelações do seu portal WikiLeaks.

O antigo "hacker" enfrenta uma pena de 175 anos de prisão por revelar abusos dos Estados Unidos na sua base militar em Guantánamo (Cuba) e nas guerras no Iraque e no Afeganistão.

Julian Assange, preso em 2010 por alegados crimes sexuais hoje arquivados, passou mais de uma década no Reino Unido, primeiro em prisão domiciliária, depois, entre 2012 e 2019, como refugiado na embaixada equatoriana em Londres, e agora na prisão de Belmarsh, perto da capital britânica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+