Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra na Ucrânia. Rússia volta a bombardear Kiev

05 jun, 2022 - 20:03 • Reuters

No flanco leste, Ucrânia diz que reconquistou terreno em Severodonetsk e que já controla metade da cidade.

A+ / A-

A Rússia atacou a capital da Ucrânia, Kiev, com mísseis, na manhã de domingo, pela primeira vez em mais de mês depois da último bombardeamento. Já as autoridades ucranianas afirmam que um contra-ataque no principal campo de batalha no Leste lhes permitiu reconquistar metade da cidade de Severodonetsk .

Uma coluna de fumo escuro pode ser vista a muitos quilómetros de distância após o ataque a dois distritos periféricos de Kiev.

Pelo menos uma pessoa foi hospitalizada, embora não haja relatos de mortes. O ataque foi um aviso à capital ucraniana, onde a vida normal regressou em grande parte, desde que as forças russas foram expulsas em março.

"O Kremlin recorre a novos ataques insidiosos. Os ataques de mísseis de hoje em Kiev têm apenas um objetivo - matar o maior número possível de pessoas", escreveu nas redes sociais o assessor presidencial ucraniano Mikhailo Podolyak.

A Ucrânia disse que a Rússia realizou o ataque usando mísseis de longo alcance disparados de bombardeiros pesados que estão no Mar Cáspio - uma arma muito mais valiosa do que os tanques que a Rússia afirmou ter atingido.

A operadora de energia nuclear da Ucrânia disse que um míssil de cruzeiro russo voou "criticamente baixo" sobre a segunda maior usina nuclear do país.

O ataque de domingo foi o primeiro grande ataque em Kiev desde o final de abril, quando um míssil matou um jornalista.

Nas últimas semanas, a Rússia concentrou o poder destrutivo principalmente nas linhas da frente no leste e no sul, embora Moscovo ocasionalmente ataque outros lugares no que chama de campanha para degradar a infraestrutura militar da Ucrânia e bloquear as remessas de armas ocidentais.

Ucrânia reivindica que reconquistou metade de Sievierodonetsk

A Rússia concentrou as forças militares nas últimas semanas na pequena cidade industrial oriental de Severodonetsk , realizando uma das maiores batalhas terrestres da guerra numa tentativa de capturar uma das duas províncias orientais - Luhansk e Donetsk - que reivindica em nome dos representantes separatistas.

Depois de recuar constantemente na cidade nos últimos dias, a Ucrânia montou um contra-ataque, que terá apanhado os russos de surpresa. Depois de recapturar uma parte da cidade, as forças ucranianas controlam metade de Severodonetsk e continuam a empurrar os russos, disse Serhiy Gaidai, governador da província de Luhansk, que inclui Severodonetsk .

As alegações ucranianas não puderam ser verificadas de forma independente.

Ambos os lados dizem que infligiram enormes baixas em Severodonetsk , numa batalha que pode determinar que lado ganhará força para uma prolongada guerra de desgaste nos próximos meses.

Em outro sinal de que a Ucrânia conteve o avanço russo, Gaidai disse que as evacuações foram retomadas da parte ucraniana da província de Luhansk no domingo, e 98 pessoas escaparam.

As forças russas tentam há semanas cortar a estrada principal para cercar as tropas ucranianas, e as evacuações foram interrompidas na semana passada depois que um jornalista foi morto por um bombardeio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+