Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Presidente ucraniano questiona demora na aprovação de novo pacote de sanções à Rússia

27 mai, 2022 - 03:40 • Marisa Gonçalves com Agências

Zelenskiy pergunta "onde de arranjaram tanto poder aqueles que estão a bloquear o sexto pacote de sanções?"

A+ / A-

Na sua habitual mensagem noturna, o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy defende que aumentar a pressão económica sobre a Rússia é “literalmente uma questão de salvar vidas”.

O Presidente ucraniano aproveita para criticar os países que estão a impedir a aprovação de um sexto pacote de sanções a Moscovo, numa referência indireta a nações como Hungria e Eslováquia afirmando: “Agradeço a todos os países que promovem sanções mas, onde arranjaram tanto poder aqueles que estão a bloquear o sexto pacote de sanções? Porque é que lhes é ainda permitido ter tanto poder incluindo nos procedimentos intraeuropeus?”

Zelenskiy faz ainda notar a demora na aplicação de novas medidas contra a economia russa apontando a falta de união entre os Estados-membros. “Vejam o número de semanas que passaram para a União Europeia tentar chegar a um acordo. (…) e em que o mundo não se atreveu a bloquear o sistema bancário russo, todos os bancos sem exceção para privar o agressor da oportunidade de financiar não apenas a guerra contra a Ucrânia mas ainda a sua política de criação de divisões e crises em todo o mundo”, declara.

O Presidente da Ucrânia reitera o pedido de mais armamento aos parceiros acusando as tropas russas de cometerem “genocídio” na região do Donbass. “A ofensiva da Rússia vai tornar aquela região inabitável”, aponta Zelenskiy.

Autoridades militares norte-americanas anunciaram, entretanto, que os Estados Unidos se preparam para enviar à Ucrânia sistemas avançados de rockets de longo alcance, no âmbito de um pacote de ajuda a ser detalhado na próxima semana, segundo as agências de notícias internacionais.

A ofensiva militar lançada na madrugada de 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas -- mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,6 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J M
    27 mai, 2022 Seixal 15:53
    O Sr. Zelenskiy devia pensar na paz e tentar um acordo com os russos em vez de andar a pedinchar mais armamento. Ainda não percebeu que actualmente é uma marionete nas mãos dos americanos, que lhe passaram uma procuração para combater o eterno inimigo. Cada vez mais infraestruturas estão sendo destruídas, uma parte do país está arrasado, o povo em sofrimento, e ele continua na ilusão que pode reconquistar os territórios que já perdeu. Os ucranianos só através de negociações poderão reaver parte do território que já perderam e nunca pela força.
  • Cidadao
    27 mai, 2022 Lisboa 08:09
    A guerra esta no auge. Enquanto o Ocidente marca passo no envio de material de guerra pesado, e em novas sanções, a Rússia ataca com tudo o que tem e a sua atual superioridade está a vencer a tenacidade Ucraniana. Era melhor os EUA e o Ocidente se deixassem de declarações de intenções e reuniões infindáveis e estivessem, em termos de decisão e celeridade, à altura do momento.

Destaques V+