Tempo
|
A+ / A-

Monkeypox. UE vai adquirir vacina e antiviral contra varíola dos macacos

27 mai, 2022 - 11:48 • Marta Grosso com Reuters

As primeiras entregas deverão acontecer já em junho, segundo o coordenador de vacinas da Suécia. Num mês, foram detetados mais de 200 casos suspeitos da doença em 19 países.

A+ / A-

A União Europeia vai adquirir uma vacina e um antiviral contra a varíola dos macacos, para combater o surto que está a ocorrer na Europa.

“Após várias reuniões, foi decidido que compraremos tanto a vacina como um tratamento antiviral”, avançou o coordenador de vacinas da Suécia ao jornal “Dagens Nyheter”, nesta sexta-feira.

Os medicamentos em causa são o Imvanex (vacina contra a varíola) e o Tecovirimat (antiviral), da Bavarian Nordic, que serão comprados à norte-americana Siga Technologies.

A vacina também ajuda a prevenir a varíola dos macacos. A aprovação da União Europeia é para a varíola, mas os médicos podem prescrever a Imvanex sem rótulo para a varíola dos macacos.

O acordo de compra ainda não está assinado, mas Richard Bergstrom garante que tal acontecerá “rapidamente”.

“Devemos ter um contrato pronto dentro de uma semana, mais ou menos, e talvez algumas entregas limitadas em junho”, afirmou o sueco ao jornal.

O vírus que provoca a varíola dos macacos (também conhecida como Monkeypox) é endémico em África e geralmente raro noutros locais, mas desde o início de maio que têm surgido casos em vários países europeus: mais de 200 casos suspeitos e confirmados em 19 países.

Até ao momento, não foram registadas mortes associadas à infeção e a maioria dos casos tem sintomatologia ligeira.

Varíola dos Macacos. Que doença rara é esta que está a crescer em Portugal?
Varíola dos Macacos. Que doença rara é esta que está a crescer em Portugal?
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+