Tempo
|
A+ / A-

EUA preparam-se para enviar "rockets" de longo alcance para a Ucrânia

27 mai, 2022 - 10:29 • Marta Grosso

O anúncio pode ser feito na próxima semana e a ajuda poderá incluir mais assistência militar. Reino Unido poderá juntar-se ao reforço de armamento.

A+ / A-

Os Estados Unidos estão a preparar-se para enviar sistemas avançados de rockets de longo alcance à Ucrânia, que agora são o principal pedido das autoridades ucranianas.

A notícia é avançada pela CNN, que cita fontes da Casa Branca. Os rockets fazem parte de um pacote maior de assistência militar e de segurança à Ucrânia, que pode ser anunciado na próxima semana.

Altos funcionários ucranianos, incluindo o Presidente, Volodymyr Zelenskiy, pediram nas últimas semanas que os EUA e os seus aliados forneçam o ‘Multiple Launch Rocket System’ (Sistema de Lançamento Múltiplo de Rockets, ou MLRS na sigla inglesa).

Este sistema consegue disparar vários rockets para centenas de quilómetros de distância, podendo atingir o interior do território russo. Neste momento, a Ucrânia não possui qualquer sistema semelhante e considera que tê-lo faria muita diferença na guerra contra a Rússia.

Além disso, a Ucrânia pediu que os Estados Unidos fornecessem o Sistema de Rockets de Artilharia de Alta Mobilidade (conhecido como HIMARS), um sistema de rodas mais leve, capaz de disparar muitos dos mesmos tipos de munição do MLRS.

Estes pedidos ocorrem num momento em que a Rússia atacou o Leste da Ucrânia, que está desarmado, segundo as autoridades ucranianas.

Até agora, a administração Biden tem evitado responder às solicitações ucranianos, tendo em conta as preocupações levantadas no Conselho de Segurança Nacional de que a Ucrânia pudesse utilizá-los para realizar ataques dentro da Rússia. Além disso, o envio de armamento mais pesado poderá ser encarado por Moscovo como uma provocação, o que pode desencadear algum tipo de retaliação.

Presume-se que a Ucrânia já tenha realizado ataques transfronteiriços dentro da Rússia – as autoridades de Kiev não confirmam nem desmentem. Mas as autoridades russas já vieram dizer que qualquer ameaça à sua pátria constituirá uma grande escalada no conflito, tornando-se os países ocidentais um alvo legítimo na guerra. E isto será, de acordo com as fontes citadas pela CNN, uma preocupação para Washington.

Outra grande preocupação da administração de Joe Biden está relacionada com o stock de armamento dentro de casa. Cada cedência de material envolve uma revisão da prontidão militar dos EUA.

Em alternativa, Washington poderá fornecer à Ucrânia sistemas de rockets de menor alcance – possibilidade que está a ser ponderada.

Também o Reino Unido está a analisar se enviará sistemas semelhantes, num envio em parceira com os EUA.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    27 mai, 2022 Lisboa 12:37
    Os EUA e os Países Ocidentais, por se oporem à Rússia, serão sempre um alvo apenas dependente dos humores de Putin. E convenhamos, a Rússia não tem qualquer problema em atacar outros Países - se não estivesse a ser detida na Ucrânia, sabe-se lá quem mais tinha invadido - logo é apenas justo que o território Russo também seja bombardeado e destruído que é para verem como elas lhes mordem. E duvido muito que ataquem militarmente um País da NATO pois isso significaria a guerra. Eles, em 3 meses não conseguiram abater um adversário 10 vezes inferior em termos de meios e efetivos, vão agora enfrentar a NATO, que em termos convencionais até está em vantagem? E em termos de nuclear, se atacar, será atacada também, logo ... Deem à Ucrânia o que ela pede e mostrem o dedo do meio à Rússia quando ela vier com ameaças...
  • Digo Eu
    27 mai, 2022 Ocidente 12:22
    Ou seja, o Ocidente e mesmo os EUA estão com "medinho" da Rússia e duma "escalada" da guerra, seja lá o que isso for - alvos "legitimos", o Ocidente e os EUA já são que não é por Putin "prometer" que não ataca, que não atacará quando lhe der jeito, e com os problemas de ineficiência que os Russos têm mostrado, duvido muito que atacassem um País da NATO sabendo que isso significava a NATO entrar na Guerra, se se referem a armas nucleares aí perdiam todos pois se a Russia tem 6000 ogivas e os EUA "só" 5800, essas 5800 são mais que suficiente para vaporizar a Russia uma dúzia de vezes. Deem à Ucrânia o que ela pede que os Russos são um tigre de papel.

Destaques V+