Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Taiwan. China diz que Biden está a "brincar com o fogo" e que pode queimar-se

23 mai, 2022 - 20:03 • Redação

O escritório de assuntos de Taiwan do Conselho de Estado chinês avisa os EUA que a questão de Taiwan faz parte dos assuntos internos da China, e nenhuma interferência estrangeira será permitida.

A+ / A-

Os EUA estão a "brincar com fogo" e "vão-se queimar", disse o escritório de assuntos de Taiwan do Conselho de Estado chinês depois que o presidente Joe Biden prometer defender Taiwan caso Pequim tente tomar o controlo do país.

A notícia é dada pela agência de notícias estatal Xinhua na segunda-feira.

"Tentar jogar a 'carta de Taiwan' e 'usar Taiwan para controlar a China' é brincar com fogo, e aqueles que bricam com fogo se queimam", disse o porta-voz do conselho, Zhu Fenglian.
Fenglian acrescentou ainda: “A questão de Taiwan faz parte dos assuntos internos da China, e nenhuma interferência estrangeira será permitida. O princípio de "Uma Só China" é a base política das relações sino-americanas. Instamos o lado dos EUA a parar de fazer quaisquer declarações ou tomar quaisquer ações que violem o princípio de Uma Só China… e não ir cada vez mais no caminho errado”.

Estas declarações foram motivadas por as afirmações de Joe Biden disse que estaria disposto a usar a força militar para defender Taiwan contra a China.

“Concordamos com a política de "Uma só China", aderimos a ela, mas a ideia de que Taiwan pode ser tomada à força não é apropriada, destabilizaria toda a região e seria outra ação semelhante à Ucrânia”, disse Biden. .
No entanto, na segunda-feira, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse que a política de Washington em relação a Taiwan não mudou.

Esta é a segunda vez que Biden prometeu intervir em auxílio de Taiwan e contra a China, se necessário.

Os EUA têm uma política de longa data pautada pela “ambiguidade estratégica” que permite reforçar as defesas de Taiwan, mas não explicitamente ajudá-la.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+