Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

António Costa

Portugal quer ajudar na reconstrução de escolas e jardins de infância da Ucrânia

21 mai, 2022 - 12:53 • Inês Braga Sampaio

António Costa garante a Volodymyr Zelenskiy que Portugal só não ajuda, a nível militar, quando não consegue. Além disso, oferece apoio técnico para a adesão à União Europeia.

A+ / A-

António Costa ofereceu, este sábado, o apoio de Portugal na reconstrução de escolas e jardins de infância da Ucrânia. Em alternativa, está disponível para a reconstrução de algumas zonas daquele país.

O primeiro-ministro português reuniu-se com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, em Kiev, para discutir os apoios à Ucrânia, face à invasão russa. Em conferência de imprensa, no final da reunião, assumiu o desejo de ajudar a Ucrânia a reconstruir o parque escolar.

"Estamos disponíveis para patrocinar na zona geográfica e pusemos à consideração do presidente Zelenskiy patrocinarmos a reconstrução de escolas e jardins de infância, visto que é fundamental investir no futuro e garantir que as crianças ucranianas têm um futuro na sua terra. Temos experiência na modernização de estabelecimentos de ensino e é uma ajuda diferenciada que podemos dar. Ou seja, ajudar na reconstrução de uma região ou do sistema educativo", afirmou.

Apoio à candidatura ucraniana à UE


António Costa saudou a intenção dos ucranianos de se juntarem à União Europeia (UE) e garantiu que Portugal acolhe "de braços abertos a opção muito clara que a Ucrânia fez pela Europa".

"Aguardamos com grande expectativa o relatório que a Comissão Europeia irá apresentar sobre as perspetivas europeias da Ucrânia e da sua integração na UE, que será provavelmente discutida em junho. Disponibilizamos todo o nosso apoio técnico e experiência, tendo em conta que processos de adesão são extremamente difíceis. O nosso levou nove anos", assinalou o primeiro-ministro.

Costa salientou, porém, que "temos de ser todos francos para construir relações sólidas" e avisou que a UE não é, atualmente, uma casa próspera.

"O presidente Zelenskiy sabe bem quais são as dificuldades que a UE tem dentro de casa, que têm sido, felizmente, pouco visíveis, pela forma tão clara e unida como os 27 têm respondido no apoio à Ucrânia e na condenação inequívoca da Rússia, e pela forma como foi capaz de responder aos problemas criados pela pandemia", realçou.

O primeiro-ministro destacou, ainda, que "o pior que a União Europeia podia fazer, agora, à Ucrânia seria dividir-se sobre qualquer decisão".

"Portugal nunca tem a posição do 'não'. Portugal tem sempre a posição do 'vamos lá trabalhar para alcançar uma unanimidade'", reforçou.

Portugal só não ajuda quando não pode


A nível militar, António Costa garantiu que Portugal "tem dado todo o apoio disponível para ajudar a Ucrânia", dentro das possibilidades.

"Quando não apoiamos não é por medo, é por falta de possibilidades. Temos enviado apoio militar, primeiro de natureza não letal e, depois, de natureza letal, procurando corresponder ao que tem sido solicitado pela Ucrânia. O que por vezes não é possível por não termos esses recursos. Tomámos boa nota dos pedidos específicos do presidente Zelenskiy e vamos ver se estão ao nosso alcance", sublinhou.

O primeiro-ministro defendeu o bloqueio de todas as exportações da Rússia, "a forma mais eficaz" de complicar o esforço financeiro que a invasão à Ucrânia implica. Portugal tem dado "todo o apoio disponível".

"Portugal tem procurado desde o início apoiar a Ucrânia das formas mais diversas: apoio militar, apoio humanitário, apoio às sanções e ajudando a criar condições para que a União Europeia consiga manter-se unida no pacote de sanções. Sabemos que muitos países não têm o grau de independência que nós temos em relação ao gás e ao petróleo russos e estamos a prestar apoio", salientou o chefe do Executivo.

Ao lado de Costa, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, mostrou compreensão relativamente aos limites do apoio militar: "Se conseguirem ajudar, ajudem. Se não conseguirem, tentaremos comprar."

"Agradecemos a compreensão de Portugal. Estamos muito agradecidos ao povo português. Sabemos que apoiam a nossa integração na UE. Esperamos que Portugal nos ajude no processo de reconstrução de várias cidades e localidades", assinalou o líder da Ucrânia.

Costa está em Kiev a convite do seu homólogo ucraniano, Denys Shmygal, depois de ter estado nos últimos dias na Roménia e na Polónia, de onde partiu para uma viagem de comboio até à capital ucraniana.

O primeiro-ministro português, que está acompanhado pelo secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Francisco André, e pelo embaixador de Portugal na Ucrânia, António Alves Machado, tem, também, agendado um encontro com Shmygal.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+