Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Portugal vai ajudar Polónia com 50 milhões para ajuda humanitária

20 mai, 2022 - 10:05 • Redação com agências

António Costa expressa "total solidariedade e admiração" face à resposta polaca à guerra e condena "a invasão ilegal" da Ucrânia.

A+ / A-

O primeiro-ministro português voltou a condenar "a invasão ilegal" da Rússia a Ucrânia em Varsóvia, onde se encontrou com o homólogo polaco, Mateusz Morawiecki. Na mesma altura, anunciou ajuda humanitária à Polónia.

"Queria expressar a total disponibilidade em apoiar a Polónia no seu esforço de resposta aos refugiados ucranianos”, disse António Costa, explicando que Portugal vai fornecer "apoio material seja de casas pré-fabricadas, modulares, bens alimentares, produtos farmacêuticos e calçado".

Bens que possam ser comprados em Portugal e cedidos "à Polónia até um montante máximo de 50 milhões de euros", precisou o chefe de Governo que está de visita a Varsóvia. "São os fundos que temos disponíveis", explicou.

Esta sexta-feira, defendeu ainda que a transição energética tem de ser prioritária para reduzir dependência de gás russo e que a melhor forma de a União Europeia ajudar a Ucrânia é manter a união contra a Rússia.

O primeiro-ministro português assinalou que Portugal tem condições para contribuir para uma autonomia energética da Europa e pediu que sejam feitos investimentos nas interconexões europeias. "Temos condições para contribuir para uma autonomia energética da Europa. É por isso prioritário o investimento nas interconexões entre Portugal e Espanha e entre Espanha e o resto da Europa, não só para fornecer gás natural com origem nos Estados Unidos, na Nigéria, Trinidad e Tobago e outras origens, mas também no futuro para a capacidade que temos de produção de hidrogénio verde a abaixo custo beneficiando do preço extraordinariamente baixo que temos na produção de energia solar.”

Admitindo que esta é uma solução "a quatro anos", o chefe de Governo português sublinhou que no curto prazo a solução pode passar por Sines.

Referiu ainda que reconhece a Ucrânia como família e que “vivemos, infelizmente, uma situação dramática fruto da invasão ilegal e da guerra bárbara que a Rússia vem desenvolvendo”.

Polónia quer cooperar em transbordo do gás

A Polónia está interessada em cooperar com Portugal no potencial transbordo de Gás Natural Liquefeito (GNL).

“A Polónia está a tornar-se um ‘hub’ de gás, por isso se pudéssemos obter gás adicional (...) estaríamos muito interessados neste tipo de cooperação com Portugal”, disse ele.

Costa disse que Portugal está a discutir com vários governos a possibilidade de utilizar o porto de Sines como plataforma de transbordo para a transferência de combustível de grandes navios para barcos mais pequenos, mais capazes de operar no Mar do Norte e no Mar Báltico.

O primeiro-ministro visita a seguir um centro de acolhimento e encaminhamento de refugiados da Ucrânia instalado no Estádio Nacional de Varsóvia, após este encontro com o seu homólogo polaco.

No início deste mês, numa conferência internacional de alto nível de doadores para a Ucrânia promovida pelos governos da Polónia e da Suécia, o primeiro-ministro anunciou que Portugal vai contribuir com 2,1 milhões de euros em ajuda humanitária à Ucrânia, dos quais um milhão de euros para as respostas das Nações Unidas e 1,1 milhões adicionais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+