Tempo
|
A+ / A-

Primeiro-ministro francês demite-se. Macron aceita

16 mai, 2022 - 16:40 • Rosário Silva , com agências

Presidente já tinha defendido uma remodelação governamental, depois da acentuada abstenção nas eleições presidenciais em abril.

A+ / A-

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, demitiu-se do Governo do país. Jean Castex confirmou, esta segunda-feira, ter apresentado o seu pedido de demissão a Emmanuel Macron.

"Acabo de entregar a minha carta de demissão", disse o primeiro-ministro ao chegar ao hotel Matignon, após uma reunião de uma hora com o Presidente da República no Palácio do Eliseu.

O chefe de Estado "aceitou-o", segundo fonte do Eliseu, acrescentando que o primeiro-ministro assegurará "o tratamento dos assuntos correntes até à nomeação do novo Governo".

Está assim aberto o caminho para uma remodelação governamental, depois do próprio presidente Emmanuel Macron ter afirmado que o Governo devia ser mais concentrado e ter menos ministros.

O primeiro-ministro demite-se a poucas semanas das eleições legislativas, nas quais o partido de Macron, o La République En Marche!, tentará repetir o bom resultado das presidenciais e impedir o crescimento da extrema-direita, liderada por Marine Le Pen e o Rassemblement National, e da esquerda, finalmente concordante e unida em torno de Jean-Luc Mélenchon.

No rescaldo das presidenciais, que venceu com cerca de 58,5% dos votos (contra os 41,5% de Le Pen), Macron sugeriu uma mudança no Governo de França, incluindo no cargo de primeiro-ministro.

Segundo a agência Reuters, o perfil preferido do presidente francês reeleito seria uma mulher (a primeira a governar o país depois do breve mandato de Edith Cresson, nos anos 90), com credenciais em políticas ecológicas e sociais, partilhando preferencialmente o mesmo ânimo pela União Europeia que Macron.

A TF1 avançou que a atual ministra do Trabalho, Elisabeth Borne, a favorita para suceder a Jean Castex, chegou ao palácio do Eliseu, poucos minutos do primeiro-ministro anunciar a demissão.

Do lado da oposição, já começaram a surgir reações à mudança no governo. Jean-Luc Mélenchon ironizou no Twitter, falando de uma "grande tensão" antes da nomeação do "seu antecessor". "Ninguém quer o trabalho. Será uma missão temporária", avisou o candidato às legislativas e líder da esquerda.

Jean Castex foi primeiro ministro durante praticamente dois anos, tendo sido nomeado por Macron em julho de 2020.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+