Tempo
|
A+ / A-

Rússia acusa UE de ser "ator agressivo e belicoso"

13 mai, 2022 - 12:23 • Lusa

A UE, a par de países como os Estados Unidos ou o Japão, decretou sanções económicas duras contra a Rússia por ter invadido a Ucrânia, em 24 de fevereiro.

A+ / A-

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo acusou a União Europeia de se ter tornado um "ator agressivo e belicoso", na sequência da guerra na Ucrânia.

"A UE passou de uma plataforma económica construtiva, tal como foi criada, a um ator agressivo e belicoso que já mostra as suas ambições muito para além do continente europeu", disse Serguei Lavrov numa conferência de imprensa em Dushanbe, a capital do Tajiquistão, citado pelas agências francesa AFP e espanhola EFE.

A este respeito, manifestou "sérias dúvidas" de que o desejo da Ucrânia de se tornar rapidamente Estado-membro da UE seja inofensivo.

Lavrov acusou os europeus de seguirem o "caminho que a NATO já traçou" para considerar que a UE está a confirmar a "tendência para a fusão com a Aliança do Atlântico Norte", de que "servirá, de facto, como um apêndice".

Referiu-se também a declarações da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, durante uma visita à Índia, no final de abril, sobre o reforço dos laços estratégicos com um país que declarou a sua neutralidade no conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

"O resultado da guerra [na Ucrânia] não só determinará o futuro da Europa, como também afetará profundamente a região Indo-Pacífico", disse então a presidente da Comissão Europeia.

Moscovo vê a NATO, o seu antigo inimigo da Guerra Fria, como uma ameaça existencial e justificou a sua ofensiva na Ucrânia em parte pelas ambições de Kiev de aderir à Aliança Atlântica e pelo apoio político e militar ocidental ao vizinho da Rússia.

A UE, a par de países como os Estados Unidos ou o Japão, decretou sanções económicas duras contra a Rússia por ter invadido a Ucrânia, em 24 de fevereiro.

Na capital do Tajiquistão, Lavrov disse ter informado os seus homólogos da Comunidade de Estados Independentes (CEI) sobre as "consequências negativas que as ações absolutamente inaceitáveis do Ocidente têm em relação ao que está a acontecer na Ucrânia".

Criada em 1991, a CEI integra as antigas repúblicas soviéticas da Arménia, Azerbaijão, Bielorrússia, Cazaquistão, Federação Russa, Quirguistão, Moldava, Tajiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JMC
    13 mai, 2022 USA 21:28
    Ó amigo "Cidadão": Os fantoches do Kremlin têm tomado conta do manicómio, e o mestre das marionetas é Putin.
  • Cidadao
    13 mai, 2022 Lisboa 12:40
    Concorda-se inteiramente: a UE invadiu a Ucrânia sem provocação, apenas para expandir o seu imaginário Império, e quando a invasão correu mal, começou a chacinar civis inocentes e a praticar Crimes contra a Humanidade... Esperem aí... acho que estou a ver o filme ao contrário. Lê-se, ouve-se e não se acredita, não como os russos estão tão agarrados a uma Realidade Alternativa, mas como eles pensam que nos convencem dessa realidade alternativa. Os malucos não terão tomado conta do Manicómio, lá pelas bandas do Kremlin?

Destaques V+