Tempo
|
A+ / A-

Rússia é “ameaça mais direta à ordem mundial”, diz von der Leyen

12 mai, 2022 - 07:29 • Lusa

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou a morte de mais de três mil civis e a fuga de mais de 13 milhões de pessoas.

A+ / A-

A Rússia é a "ameaça mais direta" à ordem internacional, devido à invasão da Ucrânia, declarou a presidente da Comissão Europeia em Tóquio, onde participa na 28.ª cimeira UE-Japão.

Moscovo "é hoje a ameaça mais direta à ordem mundial com a guerra bárbara contra a Ucrânia e o perturbador pacto com a China", disse Von der Leyen, depois de um encontro com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, na presença do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

Nesta cimeira, os dois lados comprometeram-se a reforçar a cooperação para aplicar "fortes sanções" à Rússia, na sequência da invasão na Ucrânia, e a levar à justiça os responsáveis pelos "crimes de guerra" cometidos no conflito.

Os líderes do Japão e da Europa deixaram ainda uma mensagem à China, de defesa de um "Indo-Pacífico livre e aberto" contra a ascensão militar de Pequim na região.

O Indo-Pacífico "é uma região cada vez mais próspera, mas com tensões crescentes", destacou Von der Leyen, assinalando, em particular, os contínuos testes de armamento da Coreia do Norte e o elevado perfil militar da China.

A UE procura ter "um papel mais ativo" e "mais responsabilidade" numa região que considera "vital para a sua prosperidade", acrescentou.

Kishida disse, por sua vez, que tanto o Japão como a UE "discutirão em conjunto quaisquer tentativas de alterar o 'status quo', ou de coerção económica" na região, com vista a promover um Indo-Pacífico "livre e aberto".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+