Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Mulheres, crianças e idosos retirados de siderurgia em Mariupol

07 mai, 2022 - 21:26 • Lusa

A tomada deste complexo permitirá a Moscovo reivindicar o controlo total de Mariupol.

A+ / A-
pessoas retiradas de Azovstal e Mariupol Foto: Roman Pilipey/EPA
pessoas retiradas de Azovstal e Mariupol Foto: Roman Pilipey/EPA
guerra na Ucrânia - pessoas retiradas de Azovstal e Mariupol Foto: Roman Pilipey/EPA
guerra na Ucrânia - pessoas retiradas de Azovstal e Mariupol Foto: Roman Pilipey/EPA
guerra na Ucrânia - pessoas retiradas de Azovstal e Mariupol Foto: Roman Pilipey/EPA
guerra na Ucrânia - pessoas retiradas de Azovstal e Mariupol Foto: Roman Pilipey/EPA
guerra na Ucrânia - pessoas retiradas de Azovstal e de Mariupol  Foto: Roman Pilipey/EPA
guerra na Ucrânia - pessoas retiradas de Azovstal e de Mariupol Foto: Roman Pilipey/EPA

Mulheres, crianças e idosos foram retirados do complexo siderúrgico de Azovstal, em Mariupol, cercado pelas forças russas, disse hoje a vice-primeira-ministra da Ucrânia.

"A ordem do Presidente foi cumprida: todas as mulheres, crianças e idosos foram retirados de Azovstal", anunciou Iryna Veheshchuk, citada pela agência Associated Press (AP).

Por sua vez, a agência de notícias russa Tass já tinha indicado que outras 50 pessoas tinham sido retiradas da fábrica.

Na sexta-feira, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, afirmou que a cidade de Mariupol está "completamente destruída" e que à Rússia apenas resta apoderar-se do seu complexo siderúrgico, Azovstal.

Zelensky foi questionado no decurso de uma intervenção por videoconferência organizada pelo círculo de reflexão Chatham House em Londres, sobre o que significaria a queda deste estratégico porto no sul da região do Donbass, onde apenas subsiste uma bolsa de resistência no complexo siderúrgico de Azovstal.

"É necessário entender que Mariupol nunca cairá [...], já está devastada, não existe qualquer estrutura, está tudo completamente destruído", respondeu.

O que ainda permanece, prosseguiu, "é essa pequena estrutura, a siderurgia Azovstal, ou o que dela resta".

A tomada deste complexo permitirá a Moscovo reivindicar o controlo total de Mariupol, com 500.000 habitantes antes da guerra, mas que foi devastada por dois meses de cerco e bombardeamentos.

As autoridades ucranianas noticiaram hoje intensos combates em Donbass, enquanto se mantém o cerco da siderurgia Azovstal, onde as tropas ucranianas de Mariupol estão a resistir.

Kiev acredita que a Rússia está a preparar um desfile para 09 de maio, Dia da Vitória sobre a Alemanha Nazi, em Mariupol.

A ofensiva em Donetsk e Lugansk continua, informou o Estado-Maior do Exército ucraniano no último comunicado, publicado no Facebook.

A guerra na Ucrânia destruiu a costa sul do país no sábado, quando as forças russas dispararam mísseis de cruzeiro na cidade de Odessa e bombardearam uma siderúrgica que abrigava civis e combatentes ucranianos, na esperança de completar sua conquista do porto de Mariupol a tempo das comemorações do Dia da Vitória.

No entanto, em um sinal da defesa inesperadamente eficaz que sustentou os combates em sua 11.ª semana, os militares da Ucrânia derrubaram as posições russas em uma ilha do Mar Negro que foi capturada nos primeiros dias da guerra e se tornou um símbolo da resistência ucraniana.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, uma ação que foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+