Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. OMS estima 14,9 milhões de mortes em excesso durante pandemia

05 mai, 2022 - 15:07 • Lusa

A Organização Mundial de Saúde calculou que, entre janeiro de 2020 e dezembro de 2021, foram reportadas 9,4 milhões de mortes "diretamente atribuíveis" à covid-19, a que se somam outras 5,5 milhões de vítimas do impacto da pandemia nos sistemas de saúde.

A+ / A-

A Organização Mundial de Saúde calculou esta quarta-feira que nos anos da pandemia morreram cerca de 14,9 milhões de pessoas de forma "direta ou indiretamente" relacionada com a covid-19.

O número hoje divulgado soma o excesso de mortalidade entre janeiro de 2020 e dezembro de 2021, medindo a diferença entre mortes globais e uma projeção do que seria normal sem pandemia baseada em números de anos anteriores e inclui pessoas que se viram privadas de cuidados de saúde porque recursos foram dedicados à covid-19.

Esse total acrescenta 9,4 milhões de mortes às que são reportadas como "diretamente atribuíveis" a covid-19.

A OMS considerou mortes "associadas diretamente com a covid-19" ou indiretamente "devido ao impacto da pandemia nos sistemas de saúde e na sociedade", como "outras doenças para as quais as pessoas não conseguiram prevenção ou tratamento porque os sistemas de saúde estavam assoberbados pela pandemia".

A maior parte (84 por cento) das mortes em excesso aconteceram no sudeste da Ásia, Europa e América, com 68% concentrados em 20 países, incluindo Brasil, Índia, Rússia, Alemanha, Itália e Indonésia.

Mais de 80% das mortes em excesso aconteceram em países de rendimento médio-baixo ou médio-alto. Nos países de rendimento mais alto, o excesso de mortalidade atingiu 15% e 4% nos países de baixo rendimento.

Mais homens (57%) do que mulheres (43%) morreram direta ou indiretamente devido à doença provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, descoberto em 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

O diretor geral da organização, Tedros Ghebreyesus, apontou os números para recomendar investimento em serviços de saúde capazes de se manter durante crises.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+