Tempo
|
A+ / A-

"Inferno em Azovstal". Autarca diz que pessoas retidas não têm mantimentos

29 abr, 2022 - 19:43

"Os moradores que conseguem deixar Mariupol dizem que é um inferno, mas quando saem desta fortaleza, dizem que é pior", diz presidente da câmara de Mariupol.

A+ / A-

O presidente da câmara da cidade ucraniana sitiada de Mariupol, Vadym Boichenko, avisou hoje que as pessoas que estão retidas na fábrica siderúrgica Avozstal estão a ficar sem comida e água e não conseguirão resistir por muito mais tempo.

Boichenko descreveu a situação no complexo fabril siderúrgico - que é o último reduto da resistência ucraniana em Mariupol e onde se encontram muitos civis - como "um inferno".

Esta instalação da época soviética tem uma vasta rede subterrânea de 'bunkers' capazes de resistir a ataques aéreos, mas a situação está a tornar-se cada vez mais difícil após as forças russas terem lançado uma série de ataques com bombas e munições não guiadas.

"Os moradores que conseguem deixar Mariupol dizem que é um inferno, mas quando saem desta fortaleza, dizem que é pior", explicou Boichenko, acrescentando que a capacidade de resistência das pessoas ainda retidas no complexo fabril apenas poderá durar mais "umas horas".

Citado pelas agências internacionais, o autarca admitiu ter esperança num possível futuro cessar-fogo que permita que as pessoas que estão dentro da fábrica Avozstal consigam sair em segurança.

A Rússia ofereceu recentemente uma trégua que foi rejeitada pelos ucranianos, que alegaram que Moscovo tinha desrespeitado outros acordos no passado.

Ao chegar na quarta-feira a Kiev, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que a prioridade mais imediata no conflito da Ucrânia é criar condições para salvar os civis que se encontram retidos na fábrica metalúrgica Azovstal em Mariupol (leste), sitiada pelo exército russo desde o início da guerra e frequentemente caracterizada como a "cidade mártir".

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou cerca de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, das quais mais de 5,4 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+