Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Polónia. Corte de gás russo sem impacto para já

27 abr, 2022 - 16:20 • Isabel Pacheco

No dia em que a Rússia suspendeu o abastecimento de gás na Polónia, a Renascença falou com uma portuguesa a viver em Vasóvia.

A+ / A-

O corte do gás russo anunciado nesta quarta-feira pela empresa Gazprom ainda não se faz sentir no dia a dia dos polacos. Quem o diz é Carla Rodrigues, uma portuguesa a residir nos subúrbios da capital, Varsóvia.

“Em termos práticos do dia-a-dia, ainda, não sentimos diretamente nada”, conta à Renascença.

No entanto, os efeitos do fim do abastecimento do gás natural russo poderão “chegar mais tarde”, nomeadamente, com “o aumento dos preços”, reconhece a imigrante.

“Teremos de esperar para perceber, então, quais vão ser os aumentos do custo do gás”, diz.

A portuguesa explica que, na capital polaca, é prática comum o aquecimento das casas ser providenciado pelo condomínio dos prédios. Pelo que, por enquanto, “é difícil perceber o impacto financeiro”, reconhece Carla.

A empresa estatal russa Gazprom suspendeu, nesta quarta-feira, o fornecimento de gás natural na Polónia e também na Bulgária.

Os governos dos dois países, membros da NATO e da União Europeia, já asseguraram que o abastecimento não será comprometido.

Numa mensagem no Twitter, a ministra do clima polaca, Anna Moskwa, garantiu que “não haverá escassez de gás nos lares polacos”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+