Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia

Marcelo defende Guterres: "Era sempre preso por ter cão" e preso por não ter"

24 abr, 2022 - 17:27 • Lusa

No sábado, Zelensky considerou "ilógica" a decisão de Guterres de se deslocar a Moscovo dois dias antes de ir a Kiev.

A+ / A-

O Presidente da República defendeu este domingo o secretário-geral das Nações Unidas relativamente a críticas à sua deslocação a Moscovo e a Kiev, argumentando que Guterres seria "sempre preso por ter cão" e "por não ter".

"Como em tudo na vida, há dois pontos de vista. Um ponto de vista é dizer" que António Guterres "devia ir primeiro à Ucrânia, para ver o que se passa, e só depois ir a Moscovo", mas, aí, "a última palavra pertencia a Moscovo", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo o outro ponto de vista, acrescentou o Presidente da República, o secretário-geral das Nações Unidas poderia "começar por Moscovo e ouvir as razões, ou não razões" da Rússia, ou seja, "o ponto de vista russo e depois olhar para aquilo que se passou e a última palavra ser ucraniana".

"Portanto, era sempre preso por ter cão e preso por não ter", sendo que António Guterres "optou por dar a última palavra à Ucrânia", pelo que "não podia começar pela Ucrânia, ir a Moscovo e voltar à Ucrânia", realçou o Chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas durante a visita que está a efetuar à feira agropecuária Ovibeja, a decorrer em Beja, tendo sido questionado quanto às críticas feitas ao secretário-geral das Nações Unidas pelo presidente ucraniano, Volodymyr Zelenksy.

No sábado, Zelensky considerou "ilógica" a decisão de Guterres de se deslocar a Moscovo dois dias antes de ir a Kiev.

Segundo o Presidente da República portuguesa, "o importante é que o presidente Zelensky tenha aceitado receber o secretário-geral António Guterres depois de ele ir a Moscovo".

"O essencial é que o presidente Zelensky não vai deixar de estar com António Guterres" e espera-se "que isso possa ser um passo importante para que não estejamos perante uma guerra de meses, mas sim uma guerra de semanas", acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+