Tempo
|
A+ / A-

Rússia diz que entrada da Suécia e Finlândia na NATO terá resposta imediata

14 abr, 2022 - 10:14 • Redação com agências

Tensão cresce. Moscovo diz que esta adesão põe fim à possibilidade de um Báltico livre de armas nucleares.

A+ / A-

A Rússia deixa ameaça no ar: Se a Finlândia e a Suécia se juntarem à NATO, Moscovo vai tomar medidas no Báltico.

“Não se pode continuar a falar de qualquer estatuto livre de armas nucleares para o Báltico - o equilíbrio deve ser restaurado. Até hoje, a Rússia não tomou tais medidas e não iria tomar”, disse Dmitry Medvedev citado pela agência Reuters.

A confirmar-se a adesão, a Moscovo não terá outra hipótese senão reforçar as suas defesas na região e pôr fim às conversas sobre um espaço livre de armamento nuclear no Báltico.

Medvedev é vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia desde 2020, foi presidente e primeiro-ministro da Rússia e é um aliado de longa data de Vladimir Putin.

“Se a Suécia e a Finlândia se juntarem à NATO, a extensão das fronteiras terrestres da Aliança com a Rússia mais que duplicará”, escreveu Medvedev no Telegram. “Naturalmente, essas fronteiras terão que ser reforçadas”, concluiu.

As forças de defesa terrestre e aérea teriam que ser “reforçadas substancialmente” e as “forças navais” precisariam ser movidas no Golfo da Finlândia se os dois países se juntarem à NATO, acrescentou.

A declaração do ex-presidente marca uma das declarações mais duras feitas por uma figura pública sobre a possível reação da Rússia a um pedido da NATO dos dois países nórdicos.

A primeira-ministra da Finlândia, Sanna Marin, disse esta semana que o país decidirá dentro de "semanas" se deve entrar na NATO. A Suécia também se aproximou de buscar a adesão após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Medvedev disse que a opinião pública destes países estava dividida sobre o assunto e que “nenhuma pessoa sã” iria querer as consequências desse movimento – “aumento das tensões ao longo das fronteiras, Iskanders, armas hipersónicas e navios com armas nucleares literalmente à distância das suas casas”.

Iskanders são sistemas de mísseis russos com capacidade nuclear.

A possibilidade de a Ucrânia aderir à NATO foi uma das razões que o presidente Vladimir Putin utlizado para a invasão do país.

A Finlândia e a Suécia deram um grande passo para ingressar na NATO, ontem, depois de afirmaram que a invasão da Ucrânia pela Rússia mudou “todo o cenário de segurança” da Europa e “mudou dramaticamente a mentalidade” nos países nórdicos.

A primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin, disse na quarta-feira que o país, que partilha uma fronteira de 1.300 quilómetros com a Rússia, e que decidirá entrar na aliança “bem rápido, em semanas, não em meses”, apesar do risco de enfurecer Moscovo.

Também a Estónia, através de Kusti Salm, secretário permanente do Ministério da Defesa, disse que as forças da NATO precisavam aumentar a presença nos Estados Bálticos para evitar a tentação do presidente russo, Vladimir Putin, de realizar novas invasões na Europa.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mandem a Rússia
    15 abr, 2022 Para aquela parte 10:10
    Respondam-lhe na mesma moeda: desafiem-no a atacar. Vamos ver o espetáculo de incompetência e ineficiência do exercito russo, parte II.
  • Digo
    14 abr, 2022 Eu 15:22
    Eis o resultado de políticas de "apaziguamento", "interdependência económica", de fechar os olhos a desmandos da Rússia, e de o Ocidente se calar a todos os crimes que a Rússia de Putin, praticou nos últimos anos, cortesias de Kohls, Schroeders, Merkels, Sarkhozys e quejandos. Agora, querem mandar no mundo e estão sempre a falar em "armas nucleares" como se fossem eles os únicos que as têm. Daqui a pouco, até para respirar, tínhamos de pedir licença a Moscovo, não?
  • EU
    14 abr, 2022 PORTUGAL 11:12
    E pensava EU que os PAÍSES eram soberanos. Afinal há quem se julgue DONO do mundo. A MORTE é o fim de cada SER VIVO, mas para alguns ela tarda demais. Sempre me DISSERAM, quem viveu lá, que os russos são os MAIORES COBARDES que existem no planeta.
  • Cidadao
    14 abr, 2022 Lisboa 10:58
    A fraqueza Ocidental fez com que a Rússia de Putin julgue que manda no Mundo e se permita o direito de ameaças a torto e a direito sobre Países livres e soberanos. Atendendo ao historial da Rússia, sob a mira de armas nucleares ou à mercê duma invasão, já Suécia e Finlândia estão, pois depois do que aconteceu à Ucrânia e não só, apenas os loucos iludidos acreditam numa palavra do que venha de Moscovo. E sempre é preferível enfrentar a Rússia tendo por detrás a proteção da NATO e dos EUA, que sozinhos. Particularmente a Finlândia que tem 1300 Km de fronteira com os agressores. Sugiro que antes da assinatura formal de adesão à NATO, "convidem" tropas Americanas para "exercicios militares" conjuntos em território Finlandês e Sueco. E essas tropas que tragam sistemas anti-missil, antiãéreos de longo alcance e apoio aéreo em quantidade significativa. Pelo menos enquanto não estiverem instalados sistemas nucleares táticos - sim, camarada Putin, também temos armas nucleares no Ocidente. Queres vê-las? Não to aconselho ...

Destaques V+