Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

NATO prepara presença militar permanente na fronteira Leste

10 abr, 2022 - 10:55 • Lusa

A novidade é avançada pelo secretário-geral da Aliança Atlântica. A organização está “no meio de uma transformação muito fundamental” para se adaptar à “nova realidade”.

A+ / A-

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, diz que a Aliança Atlântica está a ponderar o estabelecimento de uma presença militar permanente na Europa de Leste para repelir uma possível invasão russa.

"Independentemente de quando e como termine a guerra na Ucrânia, a guerra já teve consequências de longo prazo para a nossa segurança”, afirma ao jornal britânico “The Telegraph”.

Numa entrevista publicada neste sábado, o secretário-geral diz que “a NATO precisa de se adaptar a essa nova realidade. E é exatamente isso que estamos a fazer".

A NATO está "no meio de uma transformação muito fundamental" que tomará decisões sobre um destacamento permanente na Europa de Leste, na cimeira da aliança, agendada para 29 e 30 de junho, em Madrid, anuncia Stoltenberg.

"A NATO é a aliança mais bem-sucedida da história por duas razões. Uma é que conseguimos unir a Europa e a América do Norte. A outra é que conseguimos mudar quando o mundo está a mudar. Agora o mundo está a mudar e a NATO está a mudar", afirmou o secretário-geral.

Desde o início da invasão russa da Ucrânia, em 24 de fevereiro, a NATO mobilizou 40.000 soldados, incluindo tropas portuguesas, para o flanco leste, que se estende do Báltico ao Mar Negro.

Em 25 de março, Stoltenberg defendeu o reforço da presença militar da NATO no Ártico como resposta à maior atividade russa na região, que considerou de grande importância estratégica.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.626 civis, incluindo 132 crianças, e feriu 2.267, entre os quais 197 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, das quais 4,3 milhões para os países vizinhos.

Esta é a pior crise de refugiados na Europa desde a II Guerra Mundial (1939-1945) e as Nações Unidas calculam que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    10 abr, 2022 Lisboa 11:41
    Isso impoe-se não só para acalmar os Países recém-entrados na NATO, como os que querem entrar, e sobretudo impoe-se para mandar uma mensagem clara a Putin. As sanções, por muito duras que sejam serão ineficaze,s pois quem vai sofrer é o Povo Russo e há sempre Países que as furam. A Rússia de Putin só pode ser parada de 2 maneiras: a tiro, ou com a certeza que se puser pé em ramo verde, vai haver tiros. E para se darem esses tiros, é preciso que alguém lá esteja para os disparar.

Destaques V+