Tempo
|
A+ / A-

Bombardeamentos russos já destruíram 21 hospitais

09 abr, 2022 - 16:32 • Lusa

Os dados foram avançados este sábado pelo os dados pelo ministro ucraniano da Saúde.

A+ / A-

Os bombardeamentos russos causaram estragos em 307 instalações de saúde, destruiu 21 clínicas e obrigou a montar vários hospitais de campanha, de acordo com os dados divulgados pelo ministro da Saúde da Ucrânia, Viktor Lyashko.

"Tivemos um total de 307 instalações de saúde danificadas, desde o início da guerra. Este número inclui centros de cuidados primários. Vinte e um hospitais foram totalmente destruídos e não podem ser recuperados. Terão de ser construídos novos", indicou o governante, citado pela agência Efe.

Viktor Lyashko explicou que, tendo em conta o nível de destruição dos hospitais, os médicos "são transferidos frequentemente de um edifício para outro, que esteja intacto, para não parar o processo de prestação médica".

O governante adiantou ainda que muitos pacientes tiveram de ser transferidos das regiões de Donestsk e Lugansk para "outros lugares mais seguros", e que houve a necessidade de montar hospitais de campanha nas regiões mais ocidentais da Ucrânia, uma vez que, nas zonas de combate, só é possível prestar os primeiros socorros.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.626 civis, incluindo 132 crianças, e feriu 2.267, entre os quais 197 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, das quais 4,3 milhões para os países vizinhos.

Esta é a pior crise de refugiados na Europa desde a II Guerra Mundial (1939-1945) e as Nações Unidas calculam que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+