Tempo
|
A+ / A-

Secretário-geral da NATO diz que Rússia vai controlar "totalidade do Donbass"

05 abr, 2022 - 15:50 • Lusa

Na véspera de uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Aliança, Jens Stoltenberg referiu-se ainda ao assassinato de civis como sendo um "crime de guerra" e pediu que todos os responsáveis pelas mortes na localidade de Bucha, arredores de Kiev, compareçam perante a justiça.

A+ / A-

A Rússia está a reforçar o dispositivo militar "para assumir o controlo da totalidade do Donbass", leste da Ucrânia, e "estabelecer uma ponte terrestre com a Crimeia", anexada por Moscovo em 2014, disse esta terça-feira o secretário-geral da NATO.

Estamos numa fase crucial da guerra", assinalou Jens Stoltenberg, no decurso de uma conferência de imprensa, na véspera de uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Aliança.

O secretário-geral da NATO referiu que as tropas russas deixaram a região de Kiev e o norte da Ucrânia, estando o regime de Vladimir Putin a deslocar um grande número de militares em direção a leste na Rússia.

"Vão rearmar-se, receber reforços em efetivos, porque registaram muitas perdas, e reabastecer-se para lançar uma nova ofensiva muito concentrada na região do Donbass", disse Stoltenberg, acrescentando: "É nessa região que estão concentradas a maior parte das forças ucranianas".

Segundo o secretário-geral da NATO, o reposicionamento das forças russas vai demorar "um certo tempo, algumas semanas", antes do "lançamento de uma grande ofensiva".

"É essencial que os aliados apoiem os ucranianos, os ajudem a rearmar-se, para permitir que se defendam", insistiu.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da Aliança vão discutir na quinta-feira com o seu homólogo ucraniano, Dmytro Kuleba, as necessidades das forças ucranianas, precisou.

"Não quero fornecer detalhes, mas está a ser examinado o fornecimento de armas antitanque e sistemas de defesa antiaérea", indicou.

Nas suas declarações, Stoltenberg também assegurou que o assassinato de civis é um "crime de guerra" e pediu que todos os responsáveis pelas mortes na localidade de Bucha, arredores de Kiev, compareçam perante a justiça.

"Fixar como objetivo e assassinar civis é um crime de guerra. Todos os factos devem ser estabelecidos e todos os responsáveis por estas atrocidades devem comparecer perante a justiça", sustentou.

As autoridades de Kiev acusaram no domingo as tropas russas pela morte de dezenas de civis em Bucha, uma alegação que tem sido firmemente desmentida por Moscovo, que se refere a uma "encenação".

Stoltenberg também admitiu a eventualidade de serem reveladas mais atrocidades na Ucrânia e quando as tropas russas prosseguem a retirada das áreas em torno de Kiev.

"Ainda não vimos tudo o que aconteceu porque a Rússia ainda controla a maioria desses territórios" em torno da capital. "Mas quando retirarem as suas tropas e chegarem as forças ucranianas, receio que existam mais valas comuns, mais atrocidades, mais exemplos de crimes de guerra".

Stoltenberg também rejeitou as afirmações da Rússia, ao frisar que "essas atrocidades aconteceram durante o período em que a Rússia controlava essas áreas" e possuímos informação de fontes muitos diversas".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    05 abr, 2022 Lisboa 17:52
    Incluam artilharia, tanques e veículos blindados, sistemas anti-míssil e baterias de misseis anti-aéreos de médio/longo alcance para além dos Javelin e anti-aéreo Stinger. Quem paga? Confisquem os 600 000 milhões de dólares que a Rússia tem depositados em bancos no exterior e entreguem esse dinheiro à Ucrânia como reparação de guerra. Podem crer que com esse dinheiro nas mãos, os Ucranianos não "fogem sem pagar".

Destaques V+