Tempo
|
A+ / A-

Afeganistão

Talibãs suspendem aulas para raparigas a partir do sexto ano

23 mar, 2022 - 22:35 • Lusa

Secretário-geral da ONU lamenta profundamente o anúncio do Governo afegão.

A+ / A-

O secretário-geral da ONU, António Guterres, lamentou hoje profundamente o anúncio do Governo afegão de suspensão das aulas para raparigas a partir do sexto ano, até nova ordem.

Guterres manifestou "profundo desapontamento" com a decisão do Governo afegão e considerou que provoca "danos profundos" ao Afeganistão.

"A recusa da educação não só viola a igualdade de direitos das mulheres e crianças no acesso à educação, também compromete o futuro do país", afirmou o secretário-geral das Nações Unidas numa declaração hoje divulgada.

"Insto as autoridades talibãs a abrirem as escolas para todos os alunos, sem mais demoras", acrescentou.

A ONU havia já expressado hoje "deceção e profunda frustração" por as autoridades afegãs terem proibido as meninas de voltar às escolas do ensino secundário, apesar de os talibãs se terem comprometido a deixar as raparigas estudarem.

"Partilho a profunda frustração e deceção das meninas e estudantes do ensino secundário afegão que, após seis meses de espera, foram impedidas de voltar à escola hoje", disse a alta-comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, em comunicado.

Também a UNICEF se manifestou, exigindo que as raparigas do Afeganistão regressem às escolas, "sem mais atrasos".

Numa declaração datada de Nova Iorque, sede das Nações Unidas, a diretora executiva da agência da ONU para a infância, Catherine Russell, sublinhou que milhões de raparigas do ensino secundário acordaram hoje com esperança de voltarem às aulas, mas que não tardou muito até verem as esperanças "destruídas".

"A decisão das autoridades de atrasar o regresso à escola das raparigas do 7º ao 12º ano é um grande revés para as raparigas e para o seu futuro", lê-se na declaração.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+