A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Observatório da Deficiência e Direitos Humanos alerta para “uma crise dentro da crise"

17 mar, 2022 - 21:02 • Redação

Segundo a coordenadora do Observatório da Deficiência e Direitos Humanos, há 2,7 milhões de pessoas com deficiência registadas na Ucrânia.

A+ / A-

Paula Campos Pinto, coordenadora do Observatório da Deficiência e Direitos Humanos, alerta para o risco de muitas pessoas estarem a ser deixadas para trás nesta guerra. Em declarações à Renascença, lembra que há muitos idosos e deficientes em risco porque são incapazes de fugir dos combates.

“Já foi apelidada de uma crise dentro da crise. dentro da crise humanitária que está a ser vivida naquele território. Porque de facto é sempre uma população mais invisível e que naturalmente num contexto de guerra se torna ainda mais invisível pelas dificuldades de acesso. Um dos problemas que estas pessoas enfrentam, por exemplo as pessoas com deficiências físicas é chegarem aos abrigos. Por outro lado, podemos imaginar pessoas surdas não poderão ouvir as sirenes tocar. Ficarão até, eventualmente, indefesas perante um ataque”, diz.

Segundo a coordenadora do Observatório da Deficiência e Direitos Humanos, há 2,7 milhões de pessoas com deficiência registadas na Ucrânia. “Haverá ainda certamente mais pessoas que não estão registadas e que de facto vivem com incapacidades. Temos visto nas imagens que nos têm chegado como é penoso, árduo, difícil o caminho de fuga para estas pessoas”, diz.

Na Ucrânia, há também 82 mil crianças institucionalizadas. “É muito importante que a ajuda humanitária seja uma ajuda inclusiva. Uma assistência que chegue às pessoas pensando na diversidade das suas necessidades. E, portanto, que encontrem formas, mecanismo de proteger mesmo aqueles e aquelas que são mais vulneráveis”, afirma.

De acordo com a Amnistia Internacional, nesta altura, em Kiev permanecem mais de um milhão de idosos. “Tem muitos habitantes que são idosos e que têm também mobilidade reduzida e não têm autonomia na sua mobilidade. E muitos estão a ser deixados para trás e não conseguem sair”, diz Pedro Neto, da Amnistia Internacional, à Renascença.

“Nós temos alguns dados, mas que não nos permitem ter uma imagem do todo. No entanto, posso-lhe dizer com segurança que os idosos são mais de um milhão só em Kiev e que estão ainda na cidade. E que não saem ou por vontade ou por não ter condições para sair. E neste momento é muito difícil já a mobilidade em Kiev até por causa dos recolheres obrigatórios, mas também pela falta de corredores humanitários que as pessoas sintam confiança de que são seguros para saírem”, acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+