A+ / A-

RENASCENÇA NA UCRÂNIA

OIM admite mais de 4,5 milhões de deslocados internos na Ucrânia

09 mar, 2022 - 11:52 • José Pedro Frazão

A abertura de corredores humanitários é vista como essencial para retirar ucranianos e estrangeiros dos abrigos onde aguardam ajuda em diversos pontos do Leste e do Norte da Ucrânia. Em entrevista à Renascença, Ahn Nguyen, chefe da missão da Organização Internacional das Migrações (OIM) descreve uma situação “terrível” em cidades como Sumy, Kharkiv, Mariupol e na capital Kiev.

A+ / A-

Onde está neste momento o foco da vossa situação?

Estamos muito preocupados com a situação dos deslocados internos. Neste momento estão concentrados em áreas seguras do Oeste da Ucrânia como Lviv, Ivano-Frankivsk, Uzhhorod e Chernivtsi.

O que mais nos preocupa é o facto de quanto mais tempo as pessoas estão ali , mais vulneráveis estão. Estas pessoas precisam de abrigo, de comida, de algum aquecimento para aliviar o frio. Recebo notícia de números em torno de 3, 4 ou até 4,5 milhões de deslocados.

Observamos um grande congestionamento . É difícil alugar quartos em hotéis ou arrendar em plataformas de alojamento local. A maioria das pessoas que vêm têm ligações familiares e conseguem ficar com parentes e amigos. Mas é uma situação muito congestionada.

Qual é a fração aproximada de deslocados que se tornam efetivamente refugiados?

Estamos a falar de cerca de dois milhões de pessoas a atravessar neste momento as fronteiras. São dados que devem ser atualizados pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) . Mas não constatamos que todos eles estejam a pedir asilo. Muitos têm ligações familiares ou não precisam de vistos.

Em termos humanitários podemos falar numa situação distinta a Leste e a Oeste ?

Em termos gerais, sim. Note que as pessoas em movimento estão num nível acrescido de vulnerabilidade por falta de abrigos e de comida. Em todos os locais as necessidades de cariz humanitário são elevadas.

Têm recebido muitas chamadas desesperadas de ajuda?

Temos duas linhas de emergência. Uma para cidadãos de países terceiros e para pessoas que estão a procurar ajuda, onde recebemos milhares de chamadas.

Recentemente, antes da guerra, tínhamos já montado uma linha de saúde mental e assistência psicossocial para deslocados internos, onde também vamos recebendo chamadas.

Mas que tipo de ajuda estão a receber essas pessoas?

Essa é uma pergunta muito difícil, porque até obtermos os corredores humanitários que estamos a tentar obter dos dois lados para criar “janelas de silêncio”, será muito difícil fazer chegar ajuda a estas pessoas.

É terrível. Recebemos por exemplo muitas chamadas de estudantes em Sumy. Dizem que estão retidos num abrigo, sem comida nem água. E sabemos da existência de ucranianos também na mesma situação.

Os corredores são mais essenciais nalgum ponto específico da Ucrânia?

Esperamos esses corredores para sermos capazes de trazer ajuda humanitária, evacuar o local e levar ajuda às pessoas.

É algo que é negociado pelas duas partes. Nós tentamos mediar ou pelo menos sublinhar a necessidade de serem montados esses corredores. Eles dependem da realidade a cada momento, mas gostaríamos de ver implementados os corredores em Mariupol, Kharkiv e Sumy.

Como descreveria a situação em Kiev?

É mesmo terrível e peço desculpa por estar constantemente a usar este adjetivo. Tivemos pessoas que estão em abrigos caseiros. Não vemos o nível de destruição que observamos em cidades do Leste, mas pessoas não estão em menor situação de vulnerabilidade. Em Kharkiv, a segunda cidade do país, a situação é semelhante embora o nível de destruição seja diferente face a Kiev.

Como foi a retirada de um grande contingente da ONU de Kiev?

Tudo parte da avaliação de segurança que a ONU tem. É uma abordagem faseada. Como organização humanitárias, nunca nos imaginamos a partir. Apenas nos mudámos para Lviv. Quero enfatizar que estamos aqui para ficar. Esta é uma deslocalização temporária sempre com a intenção de voltar. Temos um contingente da OIM de mais de 220 funcionários em Kiev.

Foi uma operação muito grande. Alguns funcionários em fases anteriores já haviam mudado de localização e fomos capazes de facilitar essa saída. Ainda estamos no processo de monitorar a equipa que está lá e ver a quem podemos prestar assistência para sermos capazes de mudar para Oeste.

Quando deixou Kiev?

Penso que vim na quarta-feira, mas não consigo lembrar-me da data exata. Demorámos dois dias, por causa de todas as diferentes barreiras de segurança.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+