Tempo
|
A+ / A-

Carta aberta de Olena Zelenska. “Se não pararmos Putin, não haverá lugar seguro no mundo”

09 mar, 2022 - 06:49 • Carla Caixinha

Um testemunho da primeira-dama da Ucrânia onde descreve estradas cheias de refugiados, mortes de civis, pessoas a viver entre escombros, em caves ou estações de metro, bebés que nunca conheceram a paz. Agradece a ajuda humanitária e lembra: "Esta é uma guerra na Europa e nas fronteiras da UE".

A+ / A-

A mulher do Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky usou o Facebook para publicar uma carta aberta aos meios de comunicação social, que lhe têm feito vários pedidos de entrevista.

No texto, Olena Zelenska lembra as crianças mortas durante o conflito, os cidadãos que tiveram de fugir e a destruição das cidades. Volta também a pedir uma zona de exclusão aérea.

“Era impossível acreditar no que aconteceu há pouco mais de uma semana. Meu país era pacífico e metrópoles, cidades e vilas estavam cheias de vida habitual”, começa por dizer.

Depois sublinha: “Apesar da garantia dos propagandistas do Kremlin que chamam esta invasão de ‘operação especial’, é o assassinato de pessoas pacíficas!”

Segundo Olena, “gabaram-se de que os ucranianos os recebiam com flores, como libertadores, mas os ucranianos saudaram-nos com cocktails Molotov”.

“O primeiro filho da guerra viu o teto de concreto da cave, a sua primeira respiração foi o ar acre do subterrâneo, e foi recebido por uma comunidade presa a aterrorizada. Nesta altura há dezenas de crianças que nunca conheceram a paz nas suas vidas”, escreveu ainda.

A primeira-dama deixa um agradecimento especial por toda a ajuda que tem chegado e apela a mais apoio humanitário.

“Com esta carta, também declaro e digo ao mundo: a guerra na Ucrânia não é uma guerra “algures por aí”. Esta é uma guerra na Europa e nas fronteiras da União Europeia. A Ucrânia está a parar uma potência que pode invadir as vossas cidades amanhã de forma mais agressiva sob o pretexto de salvar civis. Se não pararmos Putin, que está a ameaçar com uma guerra nuclear, não haverá lugar seguro no mundo.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 406 mortos e mais de 800 feridos entre a população civil e provocou a fuga de mais de dois milhões de pessoas para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+